Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Uso do laser de baixa potência em estrias de distensão: ensaio clínico randomizado controlado / Use of low level laser therapy in striae distensae: a randomized controlled trial

Sci. med. (Porto Alegre, Online); 28(2): ID28710, abr-jun 2018.
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: biblio-881477

OBJETIVOS:

Avaliar os efeitos da laserterapia de baixa potência (660 nm) no tratamento de estrias albas.

MÉTODOS:

Foi realizado um ensaio clínico randomizado com 20 mulheres divididas por igual em grupo controle e grupo tratamento. Para inclusão elas deveriam possuir estrias albas em região glútea e aceitar participar do estudo.Os critérios de exclusão foram: realização de outro tratamento para estrias, estado gravídico, uso de esteroides, tabagismo, diagnóstico de câncer, áreas hemorrágicas na pele, diagnóstico de epilepsia, diagnóstico de trombose, ou qualquer alteração cognitiva. Foram realizadas 12 aplicações de laser 660 nm, durante quatro semanas. Após mais quatro semanas de seguimento, foi realizada uma reavaliação. Após cada aplicação foram feitas fotos da região para avaliação do tamanho das estrias por meio de planimetria digitalizada, que avalia a porcentagem de área ocupada pelas estrias. Para essa avaliação foram utilizadas as fotos por ocasião da primeira aplicação (AV1), da sexta (AV2), da 12ª (AV3) e da última avaliação, após quatro semanas do término do tratamento (AV4). Foram realizadas também avaliações qualitativas por tato (profundidade) e inspeção visual (tonalidade e tamanho).

RESULTADOS:

A análise pela planimetria demonstrou que não houve diferença entre a área ocupada pelas estrias quando se compararam as diversas avaliações do mesmo grupo, até a AV3. Porém na AV4 (quatro semanas após a última aplicação de laser) do grupo tratamento, houve diminuição estatisticamente significativa da área de estrias em relação à AV1. No grupo controle, não houve diferença entre AV4 e as outras avaliações. Na comparação entre os dois grupos, não houve diferença nas três primeiras avaliações. Porém na AV4 o grupo tratamento mostrou menor área das estrias em relação ao grupo controle. Na análise qualitativa o grupo tratado apresentou menor visibilidade e menor profundidade das estrias ao tato.

CONCLUSÕES:

A terapia com 12 sessões de laser de baixa potência durante quatro semanas teve efeito positivo no tratamento de estrias albas, com os resultados tornando-se evidentes somente quatro semanas após a última aplicação. O laser de 660nm mostrou-se um método não invasivo, indolor e de rápida aplicação.
Biblioteca responsável: BR1813.9