Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Saúde sexual e reprodutiva da mulher: análise da disponibilidade, percepções e habilidade no uso do preservativo feminino / Sexual and reproductive health of women: analysis availability, insights and skills in condom use female

Belo Horizonte; s.n; 2014. XV,112 p.
Tese em Português | CPQRR, FIOCRUZ | ID: crr-2390
Apresentada a Centro de Pesquisas René Rachou para obtenção do grau de Mestre. Orientador: Schall, Virgínia Torres.
As DSTs estão entre os problemas de Saúde Pública mais comuns em todo o mundo e o Preservativo Feminino (PF) é uma das alternativas que possibilita as relações sexuais protegidas. O objetivo dessa pesquisa foi investigar a habilidade e as percepções da mulher sobre o preservativo feminino a partir de diferentes orientações para o uso, bem como a disponibilidade desse método na rede privada. Um estudo transversal foi realizado com 32 mulheres maiores de 18 anos, sexualmente ativas, funcionárias de três Hotéis, em Belo Horizonte, MG. Para coleta de dados, foram utilizados dois questionários semiestruturados autoaplicáveis, previamente validados por meio de estudo piloto. Após a seleção das participantes, um primeiro questionário de sondagem socioeconômica, escolaridade e comportamento sexual foi aplicado sob a orientação da pesquisadora. Em seguida foram formados 3 grupos e entregues 5 PF para cada uma e solicitado o uso com seus parceiros, durante trinta dias. Os preservativos utilizados neste estudo são os mesmos distribuídos na rede pública. O primeiro grupo recebeu orientações da embalagem do produto, o segundo de um panfleto e o terceiro de um vídeo demonstrativo sobre o uso do PF. Após 30 dias, as participantes preencheram o segundo questionário que abordou a habilidade na colocação do preservativo e as percepções dela e do parceiro sobre o insumo.(AU)
Das participantes que responderam o segundo questionário e experimentaram o PF verificou-se que mais da metade, 59% (N=19), não conhecia tal insumo. Dessas 19 , 8 (42%) disseram ter tido maior habilidade após o uso de uma camisinha, 6 (31,6%) relataram que o material informativo que receberam não foi suficiente para o entendimento da correta colocação do PF, sendo: 3 (50,0%) embalagem, 2 (33,3%) vídeo e 1 (16,7%) panfleto. Das 13 (68,4%) respondentes que consideraram a informação suficiente, 5 (38,5%) se guiaram pelo panfleto, 5 (38,5%) pelo vídeo e 3 (23%) tinham a embalagem. Uma participante quis saber se o PF é acessível e se são encontrados em farmácias. Cinco (26,3%) alegaram a necessidade de buscar outro tipo de informação além das disponibilizadas na pesquisa. Dentre as informações que receberam consideraram importante o passo a passo do processo para a colocação do método. No estudo quanto à disponibilidade do PF na rede privada, constatou-se que 60% (41/68) das unidades de uma rede de farmácias e 12,5% (3/24) dos sex shops comercializam duas marcas. Para muitos profissionais desses dois tipos de estabelecimentos o PF é um produto novo e muitos proprietários não demonstraram interesse em trabalhar com esse produto pela baixa procura. Contudo, o PF é uma alternativa de prevenção, porém para a sua incorporação nas políticas públicas é preciso compreender as limitações e particularidades individuais que justificam sua utilização na busca da saúde sexual e reprodutiva da mulher.(AU)
Biblioteca responsável: BR1719.1
Localização: BR1719.1; 616.951, P142s, 2014