Your browser doesn't support javascript.

Portal Regional da BVS

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
XML
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Email
Adicionar mais destinatários
| |

Influence of very short rest period lengths on repeated one maximun repetition bench press performance / Influencia del muy corto periodo de descanso en repetidos intentos de una repetición máxima en el press de banca / Influência do período de descanso muito curto em tentativas repetidas testes de uma repetição máxima em supino horizontal

Rev. andal. med. deporte; 11(3): 0-0, sept. 2018. tab, graf
Artigo em Inglês | IBECS-Express | ID: ibc-ET1-2769

OBJETIVO:

O objetivo do estudo foi comparar diferentes tempos de intervalo (≤60 segundos) entre tentativas de uma repetição máxima, na execução do exercício de supino e percepção subjetiva de esforço.

MÉTODOS:

Dezoito homens treinados (27.95 ± 4.25 anos; 81.00 ± 9.21 kg; 174.62 ± 3.34 cm; força relativa no supino 1.33 ± 0.11 kg/kg de massa corporal) participaram em três sessões ordenadas de forma aleatória e exigido dois séries consecutivas de supino uma repetição máxima com 20, 40, ou 60 segundos de descanso entre as tentativas.

RESULTADOS:

A análise Q de Cochran não mostrou diferenças significativas na capacidade de executar com sucesso uma segunda tentativa de uma repetição máxima com 20, 40 ou 60 segundos de descanso entre as tentativas (p = 0.882). Especificamente, não foram encontradas diferenças significativas na conclusão bem-sucedida entre primeira e segunda tentativas de 20 segundos (p = 0.317), de 40 segundos (p = 0.083) e 60 segundos (p = 0.157) entre os ensaios, respectivamente. Em resumo, para os 20 e 60 segundos em condições de descanso, DELTA% = 88.88% dos sujeitos realizaram com sucesso a segunda tentaiva e, para o protocolo de 40 segundos, somente DELTA% = 83.33% concluíram. Para os dados da percepção subjetiva de esforço, durante o pré e o pós-teste, o intervalo mais curto (20 segundos) promoveu valores significativamente mais elevados em comparação com longos períodos de descanso (percepção subjetiva de esforço pré-teste, p = 0.04; percepção subjetiva de esforço pós-teste, p = 0.023).

CONCLUSÕES:

Independente do aumento da sensação de esforço observado pela percepção subjetiva de esforço no curto intervalo (20 segundos), os indivíduos têm sido bem-sucedidos no intervalo de dois séries consecutivas de uma repetição máxima no supino para qualquer intervalo testado
Biblioteca responsável: ES1.1
Localização: BNCS