Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Musgos (Bryophita) do nordeste Paranaense, Brasil -1. Zona Bragantina, microrregião do Salgado e município de Viseu

de Cássia P. dos Santos, Rita; C. L. Lisboa, Regina.
Acta amaz.; 33(3)2003.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-449989

Resumo

This paper is an inventory of moss species occuring in diferent types of vegetation in the Zona Bragantina, Salgado microregion and Viseu municipalities, all located in the northeast of Pará. The results found 60 species and one variety in 632 moss samples, distributed in 30 genera and 16 families. Sematophyllaceae, Calymperaceae e Leucobryaceae were prominent in diversity of species and number of occurrencies. Sematophyllum subsimplex (Hedw.) Mitt. and Calymperes lonchophyllum Schwaegr. are the most abundant species. The results found at Salgado Microregion were compared to the results found at Zona Bragantina and Viseu municipalities. There is a higher diversity in primary vegetation, indicating that the replacement by the secondary vegetation results in the impoverishment of moss species diversity.
Neste trabalho foram inventariadas as espécies de musgos que ocorrem nos diferentes tipos de vegetação dos municípios da Zona Bragantina, da Microrregião do Salgado e município de Viseu, todos localizados no Nordeste Paraense. Coletaram-se 632 amostras, que resultaram em 60 espécies e uma variedade, distribuídas em 30 gêneros e 16 famílias. Sematophyllaceae, Calymperaceae e Leucobryaceae destacaram-se em diversidade de espécies e número de ocorrências. Sematophyllum subsimplex (Hedw.) Mitt. e Calymperes lonchophyllum Schwaegr. são as espécies mais abundantes. Os resultados referentes à Microrregião do Salgado são comparados aos encontrados na Zona Bragantina e município de Viseu. Ocorre maior diversidade nas matas primárias, indicando que a substituição delas por vegetação secundária resulta no empobrecimento da diversidade das espécies de musgos.
Biblioteca responsável: BR68.1