Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Variação somaclonal nos descritores mínimos de tubérculo em batata

Santiago, Gisele; Rejane Silveira Reiniger, Lia; Graciela Hanauer, Joana; José Lopes, Sidinei; Stochero Deprá, Marta.
Ci. Rural; 42(2)2012.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-707685

Resumo

In potato, tissue culture is used to retrieve cultivars infected by viruses, however, in vitro culture can lead to somaclonal variation. This study aimed to identify somaclones and evaluate the effect of type of explant and subculture time on the occurrence of somaclonal variants in cultivars 'Asterix' and 'Macaca'. Tubers produced in plants regenerated by direct and indirect organogenesis of shoot apical and nodal segments derived from the culture of shoot tips of clones in subculture for 12 (young clone) or 70 (old clone) months in nutritive medium MS and cultivated in field were assessed in six minima descriptors of the potato. The averages were compared to patterns described for the cultivars and somaclones were considered only those that were framed in a different phenotypic class from standard of cultivar. In 'Asterix' and 'Macaca' somaclonal variants were observed in four and two descriptors, respectively, however, only in the tuber shape and flesh color occurred somaclonal variation simultaneously in both cultivars. Moreover, remained stable the depth of the eyes and the greening of the tuber. Somaclonal variants can be identified by use of minima descriptors of tuber. 'Asterix' and 'Macaca' are equally susceptible to somaclonal variation. Twelve months of subculture is enough to cause somaclones in both cultivars. Shoot apical and nodal segments derived by direct or indirect organogenesis, are explants equally unstable to the production of seed potatoes.
Em batata, a cultura de tecidos é utilizada para recuperar cultivares infectadas por viroses, entretanto, o cultivo in vitro pode conduzir à variação somaclonal. O presente estudo teve como objetivos identificar somaclones e avaliar o efeito do tipo de explante e do tempo de subcultivo sobre a ocorrência de variantes somaclonais nas cultivares 'Asterix' e 'Macaca'. Tubérculos produzidos em plantas regeneradas por organogênese direta e indireta de explantes derivados do cultivo de ápices caulinares de clones em subcultivo há 12 (clone novo) ou 70 (clone velho) meses em meio nutritivo MS e cultivadas em campo foram avaliados em relação a seis descritores mínimos da batata. As médias observadas foram comparadas aos padrões descritos para as cultivares e somente foram consideradas somaclones aquelas que foram enquadradas em uma classe fenotípica diferente do padrão da cultivar respectiva. Em 'Asterix' e 'Macaca' ocorreram somaclones em quatro e dois descritores, respectivamente, contudo, apenas no formato e cor da polpa do tubérculo, houve variação somaclonal, simultaneamente, nas duas cultivares. Variantes somaclonais podem ser identificadas pelo uso dos descritores mínimos de tubérculo. 'Asterix' e 'Macaca' são, igualmente, suscetíveis à ocorrência de variação somaclonal, mas esse fenômeno afeta de maneira diferenciada os descritores mínimos nas duas cultivares. O tempo de subcultivo age diferencialmente sobre as características morfoagronômicas.Doze meses de subcultivo já são suficientes para originar somaclones. Segmentos apicais caulinares e segmentos nodais, originados por organogênese direta ou indireta, são explantes igualmente instáveis para a produção de batata-semente.
Biblioteca responsável: BR68.1