Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Microorganism development during feed-out of high-moisture corn and corn-ears silages / Desenvolvimento de microrganismos durante a utilização de silagens de grãos úmidos de milho e de espigas de milho sem brácteas

Cabreira Jobim, Clóves; Andrade Reis, Ricardo; Pablo Schoken-Iturrino, Ruben; Rosa, Beneval.
Acta Sci. Anim. Sci.; 21: 671-676, 1999.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-724560

Resumo

The aim of this experiment was to evaluate the microorganism development in both high-moisture corn silage and corn-ears silage after the silos have been opened. The treatments consisted of two kinds of silages (high-moisture corn silage and corn-ears silage) and four periods of sampling after the opening of the silos (0, 2, 4 and 6 days), using a factorial arrangement with a completely randomized design and three replications. Both silage treatments showed little growth of clostridia development, but it was possible to observe a dominance of heterofermentative lactic-acid bacteria. It was also observed that the corn-ears silage allowed the development of molds, enterobacteriaceae, and yeast, after the opening of the silos, when compared to the high-moisture corn silage. No difference in organic acids was observed between the two silages. A large aerobic development of microorganisms was found in both high-moisture corn silage and corn-ears silage characterizing their susceptibility to superficial deterioration. However, the high density achieved during ensiling avoided losses in the deepest layers of the silos.
O experimento teve como objetivo avaliar o desenvolvimento de microrganismos nas silagens de grãos úmidos e de espigas de milho sem brácteas, durante o período de descarregamento dos silos. Os tratamentos constaram de dois tipos de silagem (silagem de grãos úmidos e silagem de espigas de milho sem brácteas) e quatro períodos de amostragens após o início de descarregamento dos silos (0, 2, 4 e 6 dias), arranjados em esquema fatorial, num delineamento inteiramente casualizado com três repetições. Os resultados mostraram pequeno desenvolvimento de clostrídeos e dominância das bactérias ácido-láticas heterofermentativas. Observou-se, também, que a silagem de espigas de milho favoreceu o desenvolvimento de fungos, leveduras e enterobactérias, após a abertura dos silos, em relação à silagem de grãos. Com relação à formação de ácidos orgânicos, não se constataram diferenças entre as silagens avaliadas. O rápido desenvolvimento de microrganismos caracterizou a silagem de grãos úmidos e a silagem de espigas de milho como sujeitas à rápida deterioração superficial, no entanto, a alta densidade alcançada com esse material impede a deterioração nas camadas mais profundas do silo.
Biblioteca responsável: BR68.1