Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Epidemiological, clinical and pathological features of canine parvovirus 2c infection in dogs from southern Brazil

Oliveira, Pablo S.B. de; Cargnelutti, Juliana F.; Masuda, Eduardo K.; Fighera, Rafael A.; Kommers, Glaucia D.; Silva, Marcia C. da; Weiblen, Rudi; Flores, Eduardo F..
Pesqui. vet. bras; 38(1)2018.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-743736

Resumo

ABSTRACT: Canine parvovirus type 2c (CPV-2c) emerged in Europe in the early 2000s and rapidly spread out worldwide. Clinical and molecular data have demonstrated its circulation in Brazilian dogs, yet detailed descriptions of cases are still lacking. This article describes the epidemiological, clinical and pathological features of 24 cases of CPV-2c-associated disease in dogs submitted to veterinary clinics and laboratory diagnosis in southern Brazil (2014-2016). Most affected dogs presented signs/lesions suggestive of parvovirus enteritis: diarrhea, vomiting, hyperemia and hemorrhage of the serous membrane of the small intestine, diffuse segmental granulation, atrophy of the villi, necrosis and fusion of crypts, squamous metaplasia and epithelial syncytia. A number of cases presented features divergent from the classical presentations, including a wide variation in the color of feces (reddish and/or yellowish, light-brownish, orange-brown and brownish), involvement of adults (4/24) and vaccinated dogs (12/24), extensive involvement of the small intestine (8/20) and the presence of pulmonary edema (7/24) and convulsions (3/24). Feces and intestinal fragments submitted to PCR for the CPV-2 VP2 gene and to virus isolation in cell culture yielded positive results in 100% and 58.3% (14/24) of the cases, respectively. Nucleotide sequencing revealed a high nucleotide identity in VP2 (99.4 to 100%) and a consistent mutation at amino acid 426 (asparagine to glutamic acid), considered a signature of CPV-2c. These results confirm the involvement of CPV-2c in the described cases and demonstrate the importance of CPV-2c infection among Brazilian dogs, calling attention of veterinarians to correctly diagnose the disease, mainly considering the frequent atypical presentations.
RESUMO: O parvovírus canino tipo 2c (CPV-2c) surgiu na Europa no início do ano 2000 e rapidamente se espalhou pelas populações de cães ao redor do mundo. Dados clínicos e moleculares demonstraram a sua circulação em cães brasileiros, porém descrições detalhadas desses casos ainda são escassas. Este artigo descreve os aspectos epidemiológicos, clínicos e patológicos de 24 casos de doença gastroentérica associada com a infecção pelo CPV-2c em cães atendidos em clínicas veterinárias e submetidos ao diagnóstico laboratorial no Sul do Brasil (2014-2016). A maioria dos cães afetados apresentaram sinais e/ou lesões sugestivas de enterite por parvovírus: diarreia, vômitos, hiperemia e hemorragia na membrana serosa do intestino delgado, granulação segmentar difusa, atrofia das vilosidades, necrose e fusão de criptas, metaplasia escamosa e sincícios epiteliais. Alguns casos apresentaram características divergentes das apresentações clássicas, incluindo uma grande variação na cor das fezes (avermelhada e/ou amarelada, marrom-claro, marrom-alaranjada ou amarronzada), a participação dos adultos (4/24) e cães vacinados (12/24), um amplo envolvimento do intestino delgado (8/20), a presença de edema pulmonar (7/24) e convulsões (3/24). As fezes e fragmentos intestinais foram submetidos ao teste de PCR para o gene VP2 do CPV-2, e ao isolamento do vírus em cultura de células produziram resultados positivos em 100% e 58,3% (14/24) dos casos, respectivamente. O sequenciamento dos nucleótidos revelou uma alta identidade de nucleótidos na VP2 (99,4-100%) e uma mutação no aminoácido 426 (asparagina para ácido glutâmico), considerada uma assinatura de CPV-2c. Estes resultados confirmam o envolvimento do CPV-2c nos casos descritos e demonstra a importância da infecção pelo CPV-2c entre os cães do Brasil, chamando a atenção de veterinários para diagnosticar corretamente a doença, principalmente considerando-se as apresentações atípicas frequentes.
Biblioteca responsável: BR68.1