Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Home range and density of three sympatric felids in the Southern Atlantic Forest, Brazil

Kasper, C. B.; Schneider, A.; Oliveira, T. G..
Braz. J. Biol.; 76(1)2016.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-744753

Resumo

Abstract Home range and minimal population densities of Southern tiger cat (Leopardus guttulus), margay (Lepardus wiedii) and jaguarundi (Puma yagouaroundi) were estimated between 2005 and 2006 in Taquari Valley, near the southern edge of the Atlantic Rainforest in Brazil. Home range data were collected by conventional radio telemetry (VHF) locations in a highly fragmented landscape. The average home range size, calculated using 95% kernel density estimates, was 16.01 km2 for Southern tiger cat, 21.85 km2 for margay and 51.45 km2 for jaguarundi. Telemetry data were used to obtain minimal density estimates of 0.08 Southern tiger cats / km2, and 0.04 jaguarundi / km2. The density estimates arise from areas where ocelot (Leopardus pardalis) and other larger-bodied carnivores were locally extinct, and they suggest a specific type of mesopredator release known as the ocelot effect, which is likely enabling the increase in smaller felid populations in this area.
Resumo Neste estudo são apresentadas áreas de vida e estimativas mínimas de densidade populacional do gato-do-mato-pequeno (Leopardus guttulus), gato-maracajá (Leopardus wiedii) e gato-mourisco (Puma yagouaroundi) obtidas entre 2005 e 2006, no Vale do Taquari, próximo ao limite sul da Mata Atlântica no Brasil. Os dados sobre área de vida foram coletados com a utilização de telemetria convencional (VHF) em uma paisagem altamente fragmentada. A área de vida média, calculada por Kernel 95%, foi de 16,01 km2 para o gato- do-mato-pequeno, 21,85 km2 para o gato-maracajá e 51,45 km2 para o gato-mourisco. Os dados de telemetria foram utilizados para obter uma estimativa de densidade mínima de 0,08 gatos-do-mato-pequenos por km2, e 0,04 gatos-mourisco por km2. As estimativas de densidade são oriundas de áreas sem a presença de jaguatiricas (Leopardus pardalis) ou outros predadores de maior porte, todos localmente extintos, com possíveis efeitos de um tipo específico de relaxamento de mesopredadores, conhecido como Efeito Pardalis que podem permitir o aumento do tamanho das populações de gatos menores.
Biblioteca responsável: BR68.1