Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

OCORRÊNCIA DE MASTITE SUBCLÍNICA OVINA DURANTE DUAS LACTAÇÕES CONSECUTIVAS EM REBANHO DA RAÇA SANTA INÊS

Zafalon, Luiz Francisco; Veschi, Josir Laine Aparecida; Martins, Katheryne Benini; Santana, Raul Costa Mascarenhas.
Ci. Anim. bras.; 16(1)2015.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-745072

Resumo

The aim of this study was to evaluate the occurrence of ovine subclinical mastitis in two lactations, and the disease evolution in two consecutive lactations. Milk samples originated from a herd with 160 Santa Inês breed sheep. In the first lactation, milk samples were collected from ewes at 14 days post-partum and during the period near weaning. In the second lactation, milk samples were collected from the same animals at 14 days postpartum, at 52 days postpartum and at weaning. Screening of subclinical mastitis was carried out preliminarily by means of California Mastitis Test (CMT). Milk samples for microbiological culture were obtained from CMT-positive and CMT-negative mammary halves. Coagulase-negative Staphylococci were the most prevalent microorganisms isolated in two lactations. Ewes that remained with subclinical mastitis in lactation 1 were predominant. Spontaneous recoveries were significantly lower in the period between 52 days of lactation and weaning of lambs. No difference was observed regarding the progression of subclinical mastitis cases compared the two lactations (P>0.05).
O objetivo desse estudo foi avaliar a ocorrência da mastite subclínica ovina em duas lactações e a evolução da doença em duas lactações consecutivas. As amostras de leite foram originadas de um rebanho com 160 ovelhas da raça Santa Inês. Na primeira lactação, colheram-se amostras em ovelhas aos 14 dias pós-parto e no período próximo ao desmame. Na segunda lactação, as amostras de leite foram colhidas dos mesmos animais aos 14 dias pós-parto, 52 dias pós-parto e ao desmame. A triagem dos casos de mastite subclínica foi feita preliminarmente por meio do California Mastitis Test (CMT). As amostras de leite para a investigação microbiológica foram obtidas de metades mamárias positivas e negativas ao CMT. Os estafilococos coagulase-negativos foram os micro-organismos de maior ocorrência nas duas lactações. Houve a predominância de ovelhas que permaneceram com mastite subclínica durante a Lactação 1. As curas espontâneas foram significativamente inferiores no período entre 52 dias de lactação e o desmame dos cordeiros. Nenhuma diferença foi observada quanto à evolução dos casos de mastite subclínica infecciosa quando comparadas duas lactações (P>0,05).
Biblioteca responsável: BR68.1