Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Oral supplementation of probiotics on the performance and gut histo-morphology of suckling piglets

Haupenthal, Lisandro Alfredo; Caramori Júnior, João Garcia; Corrêa, Gerusa da Silva Salles; Silva, Bruno Alexander Nunes.
Ci. Rural; 50(10)2020.
Artigo em Inglês | VETINDEX-Express | ID: vti-759850

Resumo

ABSTRACT: The effects of the oral supplementation of probiotics on the performance and intestinal histo-morphology of the duodenal, jejunal, and ileal mucosa, comparing with two different genetic lines (purebred Large White or crossbred Large White x Landrace) of suckling piglets were evaluated between 2 and 19 days of age. In total, 276 piglets were distributed according to a completely randomized experimental design in a 2 x 3 factorial arrangement, with four replicates each. Treatments consisted of two genetic lines (130 purebred Large White and 146 crossbred Large White x Landrace piglets), two different probiotic products (probiotic bacteria or a combination of yeast and probiotic bacteria), and a control (basal diet with no addition). Probiotics increased the average daily weight gain (P=0.02), independently of genetic line, but did not influence (P>0.10) average daily feed intake. Crossbred piglets presented higher average daily feed intake (P=0.03) than purebreds. The incidence of diarrhea was not significantly different (P>0.10) among the treatments. Intestinal histo-morphometric parameters were not influenced by genetic lines (P>0.10). However, the piglets fed with the probiotic products exhibited higher duodenal villi compared with the control (P=0.01). In conclusion, piglets that received oral probiotics improved intestinal health and average daily weight gain, independent of the genetic lines. Higher duodenal villus were measured in P2 and P3 (450.37 m and 435.62 m, respectively) compared with the control group P1 (309.25 m; P=0.01). Higher average daily weight gain was obtained in P2 and P3 (259.55 g and 250.50 g, respectively) compared with P1 (221.9 g; P=0.02).
RESUMO: Avaliou-se o efeito da suplementação oral de probióticos em forma líquida em leitões lactentes (2 aos 19 dias de idade), de linhagem pura Large White e cruzamento Landrace e Large White, sobre ganho de peso diário, consumo de ração, incidência de diarreia e características morfo-histológicas da mucosa do intestino delgado, altura, largura e perímetro das vilosidades e profundidade das criptas. Um total de 276 leitões foram distribuídos em um delineamento inteiramente casualizado com arranjo fatorial 2 x 3, com quatro repetições. Os tratamentos consistiram de duas linhagens genéticas, 130 leitões Large White puros e 146 leitões provenientes do cruzamento das raças Landrace e Large White, duas combinações distintas de microrganismos, bactérias probióticas ou combinação de levedura e bactérias probióticas e um grupo controle alimentado com uma dieta basal, sem adição de antibióticos e promotores de crescimento. A suplementação com probióticos aumentou o ganho médio de peso diário de leitões lactentes (P=0,02), independente da linhagem, e não influenciou (P>0,10) o consumo médio diário de ração. O cruzamento das raças Landrace e Large White apresentou maior consumo médio diário de ração (P=0,03). Não houve diferença significativa na incidência de diarreia (P>0,10) entre os tratamentos. A histo-morfometria intestinal não foi significativamente diferente entre as linhagens genéticas (P>0,10). Os leitões que receberam probióticos apresentaram maior altura de vilosidade em duodeno (P=0,01). Concluiu-se que os leitões que receberam probióticos orais melhoraram a histo-morfologia intestinal e o ganho médio diário de peso, independentemente das linhas genéticas. As maiores vilosidades duodenais foram medidas em P2 e P3 (450,37 m e 435,62 m, respectivamente) em comparação com o grupo controle P1 (309,25 m; P = 0,01). Maior ganho de peso médio diário foi obtido em P2 e P3 (259,55 g e 250,50 g, respectivamente) em comparação com P1 (221,9 g; P = 0,02).
Biblioteca responsável: BR68.1