Your browser doesn't support javascript.

Portal de Pesquisa da BVS Veterinária

Informação e Conhecimento para a Saúde

Home > Pesquisa > ()
Imprimir Exportar

Formato de exportação:

Exportar

Exportar:

Email
Adicionar mais destinatários

Enviar resultado
| |

Oyster culture in the lagoon-estuarine region of Cananéia, São Paulo, Brazil. I. Collection of oyster spats, Crassostrea brasiliana( Lamarck, 1819 ) in the natural environment / OSTREICULTURA NA REGIÃO LAGUNAR- ESTUARINA DE CANANÉIA, SÃO PAULO, BRASIL. I. CAPTAÇÃO DE LARVAS DE OSTRAS,Crassostrea brasiliana(LAMARCK,(1819), EM AMBIENTE NATURAL

AKABOSHI, Shizuo; Martins PEREIRA, Orlando.
B. Inst. Pesca; 8: 87-104, 1981.
Artigo em Português | VETINDEX-Express | ID: vti-761278

Resumo

From 1975 to 1978 experiment in spat collection, one of the most important stages of oyster culture was carried out in the lagoon-estuarine region of Cananéia, State of São Paulo, Brazil. Twice a week a test collector was used at two different depths of 2 to 3 m and 7 to 8 m. The density was estimated by the number of individuals/day.l00 cm2. In a subtropical region like Cananéia, the spawning of oyster, as well as of barnacles (Balanus sp), occurs during whole year and such a test is necessary to know the best period for spat fixation. The results show that at depths of 2 to 3 m the spats collection is not feasible due to the high incidence of barnacle larvae. The periods of January to June and October to December were the best ones for spats collection at depths of 7 to 8 m.
Experimento da técnica de captação das larvas de ostra, uma das etapas mais importantes da ostreicultura, foi desenvolvido durante o período de 1975 a 1978, no complexo estuarino-lagunar de Cananéia (São Paulo-Brasil). Com o emprego de um coletor teste, lançado ao fundo duas vezes por semana e a profundidades que variaram de 2 a 3 m e 7 a 8 m, foi estimada a densidade de larvas fixadas, em número de indivíduos/dia.100 cm2. Em regiões subtropicais, como a de Cananéia, as desovas de ostra e de cracas (Balanus sp) ocorrem durante o ano todo, razão porque o teste é imprescindível para se conhecerem as épocas de maior fixação das larvas de ostra. Os resultados obtidos indicam que, nesta área, o fundo de 2 a 3 m é inviável à captação das larvas de ostra, devido à maior ocorrência de larvas de cracas, porém, em profundidades de 7 a 8 m e nos períodos de janeiro a junho e de outubro a dezembro, observou-se uma superior fixação das larvas de ostra.
Biblioteca responsável: BR68.1