Your browser doesn't support javascript.
loading
Da relação imunobiológica entre tuberculose e lepra. VII - Influência do BCG oral sobre a reação de Mitsuda em indivíduos previamente positivos à lepromina / The immunobiological relation between tuberculosis and leprosy. VII - Effect of oral BCG on the Mitsuda reaction in subjects previously positive to lepromin
Rosemberg, José; Campos, Nelson Souza; Aun, Jamil N.
  • Rosemberg, José; Faculdade Fluminense de Medicina. Faculdade de Medicina e Cirurgia. Rio de Janeiro. BR
  • Campos, Nelson Souza; Departamento de Profilaxia da Lepra. Educandário Santa Terezinha. São Paulo. BR
  • Aun, Jamil N; Serviço de Tuberculose. São Paulo. BR
Rev. bras. leprol ; 20(2): 75-83, jun. 1952. tab
Artigo em Português | SES-SP, HANSEN, SESSP-ILSLACERVO, SES-SP | ID: biblio-1229421
Biblioteca responsável: BR191.1
Localização: [{"text": "BR191.1"}]
RESUMO
Êste estudo se relaciona com 40 crianças de 3 a 14 anos de idade, descendentes de doentes de lepra, das quais 5 tiveram contato com os pais por tempos que variaram de 7 meses a 4 anos e 35 foram isoladas logo após o nascimento, vivendo todo o grupo em ambiente fechado. Trata-se de casos comprovados como positivos à lepromina através de testes de Mitsuda realizados anualmente, e cuja intensidade das reações vinha se mantendo estável. O tempo de controle dos casos variou de 2 a 7 anos, sendo que as respostas à última reação de lepromina que antecedeu à becegeização foram os seguintes 27 casos com +-, 11 com + e 2 com ++. A reação de Mantoux até‚ 1/10 era negativa em todos os casos. Considerações foram feitas sobre as causas que teriam determinado a positivação da reação de Mitsuda nessas crianças vivendo em ambiente isolado, inclusive a infecção tuberculosa, apesar destas serem insens¡veis à tuberculina. A vacinação BCG foi procedida por via oral em 4 doses de 0,20 grs. administradas com intervalos semanais, completando-se um total de 0,80 grs. Um teste leprom¡nico foi feito 3 dias depois de terminada a vacinação. Dos 27 casos com +-, 16 passaram a +, 9 a ++ e 2 permaneceram inalterados. Êstes, entretanto, em um segundo teste leprom¡nico promovido 30 dias depois, mostratam a intensificação da resposta para +. Dos 11 casos anteriormente com+, 8 passaram para ++ e 3 não sofreram alteração, sendo que nestes não foi poss¡vel executar um segundo teste. Os 2 casos com ++ antes da vacinação, como era de esperar, não mostraram nenhuma variação ulterior, pois já haviam respondido com um máximo de intensidade. A vacinação BCG oral pela técnica aqui descrita, foi capaz, portanto, de aumentar a intensidade das respostas à lepromina em 35 sobre 38 casos (92,1%). Dos comunicantes, 2 já  tinham ++ antes da vacinação. Os outros 3, sendo um com +- e dois com +, tiveram suas reações reforçadas, respectivamente para + e ++. Mencionou-se a possibilidade de um aumento da...
Assuntos
Texto completo: Disponível Bases de dados: HANSEN / Sec. Est. Saúde SP Assunto principal: Tuberculose / Vacina BCG / Antígeno de Mitsuda / Hanseníase Tipo de estudo: Relato de casos Idioma: Português Revista: Rev. bras. leprol Ano de publicação: 1952 Tipo de documento: Artigo

Similares

MEDLINE

...
LILACS

LIS

Texto completo: Disponível Bases de dados: HANSEN / Sec. Est. Saúde SP Assunto principal: Tuberculose / Vacina BCG / Antígeno de Mitsuda / Hanseníase Tipo de estudo: Relato de casos Idioma: Português Revista: Rev. bras. leprol Ano de publicação: 1952 Tipo de documento: Artigo