Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 18 de 18
Filtrar
Mais filtros










Intervalo de ano de publicação
1.
Physiotherapy ; 105(1): 10-23, 2019 03.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-30686479

RESUMO

BACKGROUND: Several clinical effects have been attributed to the use of biofeedback (BF) as an adjuvant in the treatment of women with stress urinary incontinence (SUI). OBJECTIVES: To determine whether BF is more effective than other interventions for women with SUI in terms of quantification of urine leakage, episodes of urinary loss, quality of life and muscle strength. DATA SOURCES: Science Direct, Embase, MEDLINE, Pedro, SciELO, CINAHL and LILACS from January 2000 to February 2017. STUDY SELECTION: Randomised controlled trials (RCTs) addressing the effects of pelvic muscle floor training (PFMT) with BF for the conservative treatment of women with SUI. DATA EXTRACTION AND DATA SYNTHESIS: Two independent assessors extracted data from articles. The risk of bias for individual studies was assessed using the Jadad scale and Physiotherapy Evidence Database (PEDro) scale. Mean differences (MD) and 95% confidence intervals were calculated and combined in meta-analyses. RESULTS: In total, 1194 studies were retrieved and 11 were included in this review. Only two RCTs demonstrated a low risk of bias according to the PEDro scale. The results demonstrated that PFMT with BF was no better than alternative interventions in terms of muscle strength measured using a perineometer. LIMITATIONS: Low methodological quality of studies, heterogeneity of outcomes, and differences in implementation of intervention protocols and BF modalities. CONCLUSIONS: PFMT with BF does not offer therapeutic benefits over alternative interventions (no training, PFMT alone and vaginal electrical stimulation) for the treatment of female SUI. SYSTEMATIC REVIEW REGISTRATION NUMBER PROSPERO: CRD42017060780.


Assuntos
Biorretroalimentação Psicológica/métodos , Terapia por Exercício/métodos , Diafragma da Pelve/fisiologia , Incontinência Urinária por Estresse/terapia , Terapia Combinada , Feminino , Humanos , Contração Muscular/fisiologia , Força Muscular/fisiologia , Modalidades de Fisioterapia , Qualidade de Vida , Ensaios Clínicos Controlados Aleatórios como Assunto
2.
Rev. bras. ciênc. saúde ; 23(1): 107-110, 2019. tab.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1009258

RESUMO

Objetivo: comparar os sintomas urinários de primíparas de parto normal e cesárea. Métodos: foi realizado um estudo observacional analítico do tipo transversal realizado com 98 primíparas O estudo ocorreu no Centro de Saúde Escola do Marco, da Universidade do Estado do Pará, na Cidade de Belém do Pará, com mulheres que fizeram o acompanhamento do pré-natal nos anos de 2012 e 2013. A amostra foi definida por conveniência. Os critérios de inclusão para a participação da pesquisa foram: mulheres com idade entre 18 e 35 anos, primíparas de parto normal ou cesárea no período de dois meses a dois anos do pós-parto e que tenham assinado o TCLE. Os critérios de exclusão foram: mulheres multíparas, que tiveram histórico de gravidez de risco, diabéticas, hipertensas, que estivessem em novo período gestacional ou tiveram período gestacional menor que 37 semanas e que apresentaram algum sintoma urinário prévio à gravidez. A análise estatística foi feita com aplicação do Teste Exato de Fisher com índice de significância de 5%. Resultados: Participaram do estudo 98 mulheres primíparas, sendo que 41 primíparas de parto normal e 57 de parto cesárea. Quanto à prevalência dos sintomas urinários relacionados ao tipo de parto, observou-se que a noctúria foi citada por 13 (22,8%), seguida da polaciúria 8 (14%) das mulheres que realizaram parto cesárea, enquanto que a urge-incontinência e a polaciúria ocorreram em 13 (31,71%) e 6 (14,6%), respectivamente, mulheres que tiveram parto normal. Conclusão: O surgimento dos sintomas urinários independe da via de parto. (AU)


Objective: to compare urinary symptoms in primiparous women with normal and cesarean delivery. Methods: An observational, analytical cross-sectional, study was performed with 98 primiparous women. The study was carried out at the Center of Health School of Marco, of the State University of Pará, in the city of Belém do Pará, Brazil, with women who underwent antenatal care between the years of 2012 and 2013. Sampling was defined for convenience. The inclusion criteria for the participation of the research were: women aged between 18 and 35 years, primiparous women of normal birth or cesarean section in the period of two months to two years postpartum and who signed the ICF. The exclusion criteria were: multiparous women, who had a history of risky pregnancies, diabetic, hypertensive, who were in a new gestational period or had a gestational period of less than 37 weeks, and who presented some urinary symptom prior to the pregnancy. Statistical analysis was performed using Fisher's Exact Test with a significance level of 5%. Results: 98 primiparous women participated in the study, 41 of whom were primiparous women of normal birth and 57 of cesarean birth. Regarding the prevalence of urinary symptoms related to the type of delivery, nocturia was cited by 13 (22.8%), followed by polaciuria 8 (14%) of the women who underwent cesarean delivery, whereas urge-incontinence and polaciuria occurred in 13 (31.71%) and 6 (14.6%), respectively, women who had normal delivery. Conclusion: The appearance of urinary symptoms does not depend on the route of bith delivery. (AU)


Assuntos
Feminino , Saúde da Mulher/tendências , Doenças Urológicas/urina
3.
Rev. ciênc. méd., (Campinas) ; 27(3): http://dx.doi.org/10.24220/2318-0897v27n3a4283, set.-dez. 2018. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-981293

RESUMO

No pós-parto, pode haver dor durante a relação sexual e disfunções do assoalho pélvico, que são associadas ao parto vaginal pela possibilidade de lesões perineais ou episiotomia, levando a indicações de cesariana eletiva como fator de proteção da função sexual. Assim, este estudo propõe analisar a relação entre parto por vaginal ou cesárea e a presença de dispareunia no período pós-parto. Foi realizada uma revisão integrativa nas bases de dados Lilacs e PubMed utilizando os descritores "Sexual Dysfunction, Physiological" e "Postpartum Period". Foram encontrados 28 artigos, sendo incluídos 13 por se encaixarem nos critérios de elegibilidade. Os resultados mostraram que a dispareunia pode ocorrer em 24,0 a 85,7% das puérperas. Após o primeiro parto vaginal, 21,0% apresentam avulsão dos levantadores do ânus, mas 62,0% não são evidentes após um ano. A alteração do corpo perineal não está relacionada a laceração ou a função sexual, mas 32,5% das mulheres que relataram dor perineal no primeiro mês relataram dispareunia aos 6 meses. 85,7% relatam dor na primeira relação pós-parto e as que tiveram cesariana foram mais propensas a dispareunia seis meses após o parto. 31,5% das lactantes aos 6 meses e 24,1 a 28,3% das que apresentaram queixas psicossocias relataram dispareunia. Concluiu-se que a disfunção sexual pode ocorrer nos primeiros meses tanto no pós-parto por via vaginal quanto cesariana, mas após o primeiro ano do parto, a função sexual parece se restabelecer independente da via de parto, com exceção dos traumas perineais severos.


In the postpartum period there may be pain during sexual intercourse and pelvic floor dysfunctions related to vaginal delivery due to the possibility of perineal tears or episiotomy and suggesting a protective effect of elective cesarean section on sexual function. Thus, this study proposes to examine the relationship between vaginal delivery or elective cesarean section and the presence of dyspareunia in the postpartum period. A integrative review was carried out in the Lilacs and PubMed databases using the descriptors "Sexual Dysfunction, Physiological" and "Postpartum Period". Twenty-eight articles were found, with 13 being included because they fit the eligibility criteria. The results showed that the dyspareunia can occur in 24.0 to 85.7% of puerperal women. After the first vaginal delivery, 21.0% had levator ani avulsion injury, but 62.0% are not evident after one year. Alteration of the perineal body is not related to laceration or sexual function, but 32.5% of women reporting perineal pain in the first month reported dyspareunia at 6 months. Another 85.7% reported pain in the first postpartum sexual intercourse and those who had cesarean section had more risk for dyspareunia up to six months after delivery. A total of 31.5% of women who breastfeed at 6 months and between 24.1 and 28.3% of those who presented psychosocial complaints reported cases of dyspareunia. It was concluded that the sexual dysfunction may occur in the first few months after delivery, either both vaginal or cesarean, but after the first year of delivery, sexual function seems to be restored regardless of the mode of delivery, with the exception of severe perineal traumas.


Assuntos
Humanos , Feminino , Disfunções Sexuais Fisiológicas , Período Pós-Parto , Dispareunia , Cesárea , Parto Normal
4.
Rev. ciênc. méd., (Campinas) ; 27(2): http://dx.doi.org/10.24220/2318-0897v27n2a4242, maio-ago. 2018. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-980792

RESUMO

Objetivo Verificar o entendimento acerca da atuação da fisioterapia nas disfunções do assoalho pélvico por parte dos profissionais de saúde da rede pública. Métodos Trata-se de um estudo transversal realizado com profissionais médicos e enfermeiros que trabalham nas Unidades Básicas de Saúde vinculadas ao Núcleo de Apoio à Saúde da Família 1 do município de Timbó, Santa Catarina. Por se tratar de um estudo descritivo e exploratório, os dados serão apresentados por estatística descritiva simples. Como instrumento de avaliação, foi utilizado um questionário misto criado pelas autoras abordando o conhecimento dos distúrbios cinesiológico-funcionais pélvicos humanos e da atuação da fisioterapia pélvica. Resultados A pesquisa finalizou com 13 participantes: 6 médicos e 7 enfermeiros, que demonstraram conhecer as disfunções do assoalho pélvico, assim como a atuação da fisioterapia pélvica. Conclusão A maioria dos profissionais assinalou conhecer a atuação da fisioterapia pélvica e desses, a maioria se deu através do contato com fisioterapeutas da rede. Os motivos mais frequentes de encaminhamentos listados pelos médicos são a incontinência urinária, prolapsos genitais, disfunções sexuais, gravidez e disfunções anorretais.


Objective To verify the understanding about the performance of physiotherapy in pelvic floor dysfunctions by public health care professionals. Methods This is a cross-sectional study carried out with medical professionals and nurses working at the Basic Health Care Units linked to the Family Health Support Center - 1 in the city of Timbó, Santa Catarina, Brazil. As it is a descriptive and exploratory study, data will be presented by simple descriptive statistics. As an evaluation tool, a mixed questionnaire was created by the authors addressing the knowledge of human pelvic kinesiologicalfunctional disorders and the performance of pelvic physiotherapy. Results The research was performed with 13 volunteers: 6 physicians and 7 nurses, who demonstrated to have a good understanding about pelvic floor dysfunctions, as well as about the performance of pelvic physiotherapy. Conclusion Most of the professionals indicated that they had a good understanding about the performance of pelvic physiotherapy and of these, most of them acquired it through the contact with physiotherapists of the public health care system. The most common reasons for referrals listed by physicians are urinary incontinence, genital prolapse, sexual dysfunction, pregnancy, and anorectal dysfunction.


Assuntos
Humanos , Disfunções Sexuais Fisiológicas , Incontinência Urinária , Saúde Pública , Diafragma da Pelve , Fisioterapia
5.
Saude e pesqui. (Impr.) ; 11(3): 431-440, Set-Dez 2018. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-970959

RESUMO

Investigar a prevalência da infecção pelo Papilomavirus humano (HPV) em mulheres do município de Jacundá (PA) e fatores de risco para esta infecção. Estudo observacional, descritivo e analítico, do tipo transversal com coleta em prontuários de mulheres atendidas no Hospital Municipal e consultório particular de ginecologia, oriundos de Jacundá entre 2015 e 2016. Aplicou-se análise descritiva pelo programa Epi Info 3.5.1 e BioEstat 5.0. Dos 235 prontuários, 36,6% possuíam HPV e aquelas com 45 anos ou mais possuíam maior prevalência desta infecção (40,3%). Quanto à citologia, 28,9% possuíam alguma alteração. E somente as variáveis escolaridade, etilismo e citologia alterada possuíam associação significante, exclusivamente para as de 26 a 44 anos, sendo variáveis consideradas como fatores de risco para aquisição e manutenção viral. Assim, houve alta prevalência de HPV na região (45 anos ou mais) com fatores de risco relacionados à escolaridade, ao etilismo e às alterações na citologia cervical, na faixa etária de 26 a 44 anos.


The prevalence of infection by human papillomavirus (HPV) in females of Jacundá PA Brazil and its risk factors are discussed. Current observational, descriptive, analytic and transversal study of clinical charts of females from the municipality of Jacundá and attended to in the Municipal Hospital and private clinic was undertaken between 2015 and 2016. Descriptive analysis was applied by programs Epi Info 3.5.1 and BioEstat 5.0. Further, 36.6% of people in 235 charts had HPV; females aged 45 years or more had the greatest prevalence (40.3%) of the infection; 28.9% had alterations in cytology. Variables such as schooling, alcoholism and altered cytology had significant association, exclusively for people between 26 and 44 years old. They are variables considered to be risk factors for the acquisition and maintenance of the virus. High prevalence of HPV occurred in the region (with 45 years old and older) with risk factors related to schooling, alcoholism and cervix cytology changes in the 26-44 years age bracket.


Assuntos
Feminino , Papillomaviridae , Doenças Sexualmente Transmissíveis , Displasia do Colo do Útero , Epidemiologia
6.
Rev. ciênc. méd., (Campinas) ; 27(1): 47-57, jan.-abr. 2018. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-948444

RESUMO

As disfunções do trato urinário inferior impactam a qualidade de vida de crianças ao causarem incontinência urinária e infecções do trato urinário. Dentre estas tem destaque a disfunção miccional, caracterizada por um padrão miccional incomum, onde ocorre a perda da capacidade de armazenamento, estocagem e esvaziamento. A fi sioterapia emerge como técnica promissora no tratamento destas crianças, mas não há clareza sobre quais técnicas são as mais usadas e mais efi cazes neste tipo de tratamento. Revisão sistemática sobre as técnicas fi sioterápicas para o tratamento da disfunção miccional infantil nas bases SciELO, LILACS e PubMed, restrita a ensaios clínicos randomizados. De um total de 99 artigos retornados apenas oito tratavam sobre disfunção miccional. As técnicas mais utilizadas foram a uroterapia comportamental (hidratação, diário miccional, treino miccional, dieta) e reeducação do assoalho pélvico, e as mais eficazes foram a uroterapia comportamental junto a redução do assoalho pélvico associada ao biofeedback. A literatura é parca sobre o tema, mas todas as técnicas apresentaram resultados, apesar da grande heterogeneidade metodológica que impediu qualquer análise comparativa mais precisa. A uroterapia comportamental associada ao treinamento dos músculos do assoalho pélvico auxiliado por biofeedback foi a técnica que apresentou melhores resultados.


Lower urinary tract dysfunctions impact the quality of life of children, by causing urinary incontinence and urinary tract infections. Among these, voiding dysfunction stands out, characterized by an unusual voiding pattern, with loss of storage capacity and bladder emptying. Physiotherapy emerges as a promising technique in the treatment of these children, but there is no clarity about which techniques are the most used and most effective in this type of treatment. Systematic review of physiotherapeutic techniques for the treatment of voiding dysfunction in children in three databases: SciELO, LILACS and PubMed, restricted to randomized controlled trials. From a total of 99 articles, only eight were about voiding dysfunction. The most used techniques were behavioral urotherapy (hydration, voiding diary, bladder training, diet) and reeducation of the pelvic floor, where the most expressive results were a combination between urotherapy with pelvic floor muscle exercise aided by biofeedback. The literature is sparse on the issue, but all the techniques showed satisfying results, despite the large methodological heterogeneity that prevented any further precise comparative analysis. Behavioral urotherapy associated with pelvic floor muscle training aided by biofeedback was the technique that presented better results.


Assuntos
Humanos , Pré-Escolar , Criança , Sistema Urinário , Criança , Diafragma da Pelve , Fisioterapia , Micção
7.
Rev. Pesqui. Fisioter ; 8(1): 71-78, fev., 2018. ilus, tab
Artigo em Inglês, Português | LILACS | ID: biblio-912533

RESUMO

Introdução: Segundo a International Continence Society (ICS), a Incontinência Urinaria de Esforço (IUE) é a mais comum causa de perda involuntária de urina que tem como fator de risco, a prática de atividade física e esportiva em mulheres. Objetivo: Verificar a prevalência de IUE em mulheres com prática regular de atividade física em academias. Metodologia: Estudo transversal, realizado em duas academias particulares da cidade de Belém do Pará, em mulheres praticantes de atividade física regular, com idade entre 25 e 55 anos; foram excluídas mulheres com alteração cognitiva, portadoras de diabetes e com problemas neurológicos. Foram aplicados um questionário padrão e o Protection, Amount,, Frequency, Adjustment and Body image (PRAFAB). As variáveis foram analisadas pelos testes Exato de Fisher e Mann-Whitney (p<0,05). CAAE 61681416.4.0000.5173. Resultados: A amostra foi composta por 56 mulheres, das quais 7 (12%) relataram perda recente de urina. As incontinentes eram praticantes de musculação (100%) e a maioria (71%) associava esta prática com exercícios aeróbicos. As ocorrências foram relatadas em média de 5 vezes por semana (85%) e durante os exercícios (57%). Não houve diferença estatística na comparação das variáveis entre continentes e incontinentes (p>0,05). Conclusão: A prevalência de IU em mulheres praticantes de exercícios aeróbicos e musculação nas academias foi baixa (12%), com severidade de moderada a grave e sem associação com idade, modalidade, tempo de prática, turno e frequência de exercícios. [AU]


Introduction: According to the International Continence Society (ICS), the Urinary Incontinence of Effort (UIE) is the most common cause of involuntary loss of urine, which has as a risk factor the practice of physical and sports activity in women. Objective: To verify the prevalence of UIE in women with regular practice of physical activity in academies. Methodology: A cross-sectional study, carried out in two private academies in the city of Belém do Pará, in women practicing regular physical activity, aged between 25 and 55 years; women with cognitive impairment, diabetes mellitus, and neurological problems were excluded. A standard questionnaire and the Protection, Amount, Frequency, Adjustment and Body image (PRAFAB) were applied. The variables were analyzed by Fisher's Exact and Mann-Whitney tests (p <0.05). CAAE 61681416.4.0000.5173. Results: The sample consisted of 56 women, of whom 7 (12%) reported recent loss of urine. The incontinent women were bodybuilders (100%) and the majority (71%) associated this practice with aerobic exercises. The occurrences were reported on average 5 times per week (85%) and during the exercises (57%). There was no statistical difference in the comparison of the variables between continents and incontinent women (p> 0.05). Conclusion: The prevalence of UI in women who performed aerobic exercises and bodybuilding in gymnasiums was low (12%), with moderate to severe severity and no association with age, modality, practical time, shift and exercise frequency. [AU]


Assuntos
Diafragma da Pelve , Incontinência Urinária , Exercício
8.
Rev. méd. Minas Gerais ; 28: [1-6], jan.-dez. 2018.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-967206

RESUMO

O número de mulheres que vêm adentrando o campo esportivo cresce consideravelmente. Entretanto, vale ressaltar que tal prática pode ser considerada de risco ao sistema reprodutivo feminino e aos músculos do assoalho pélvico. O objetivo do estudo foi comparar a CCAP em atletas praticantes da modalidade voleibol do sexo feminino e de mulheres sedentárias. Foi realizado um estudo com 20 mulheres, sendo 10 atletas de voleibol (GA) e 10 mulheres sedentárias (GS), do tipo transversal prospectivo quantitativo, no qual avaliou-se a capacidade de contração dos músculos do assoalho pélvico (CCAP) dessas mulheres e comparouse a CCAP entre os grupos GA e GS. A avaliação da CCAP foi realizada através do perineômetro. Após a avaliação não foi observada diferença estatisticamente significativa com relação a CCAP entre os grupos GA e GS, porém no GA a média da CCAP foi inferior a do GS. (AU)


The number of women who practice sports, among them volleyball has grown considerably, however, the modality may bring a special risk to these athletes, due to negative effects on the reproductive system. A cross-sectional prospective quantitative study was conducted with 20 women, including 10 volleyball players (GA) and 10 sedentary women (GS), in which we evaluated the ability of contraction of the pelvic floor muscles (CPFM) in volleyball athletes women and compared with CPFM in sedentary women. The evaluation of CPFM was done using the perineometer developed by the researcher. After the evaluation there was no statistically significant difference related to CPFM between the GA and GS groups, but the GA's average of CPFM was inferior to the GS's. (AU)


Assuntos
Humanos , Feminino , Adulto , Adulto Jovem , Diafragma da Pelve , Contração Muscular , Fisioterapia , Comportamento Sedentário , Atletas , Estilo de Vida Saudável
9.
Semina cienc. biol. saude ; 39(1): 85-90, jan. 2018. tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-988279

RESUMO

As infecções pelo Vírus da Imunodeficiência Humana atingem índices alarmantes no mundo, principalmente em jovens, uma vez que o uso de preservativo é menor entre os jovens. O objetivo desse estudo foi avaliar a principal fonte de orientação sobre o uso de preservativos entre estudantes dos cursos de saúde da Universidade do Estado do Pará, sua frequência de uso e as razões do não uso. Trata-se de um estudo transversal, prospectivo e descritivo que incluiu estudantes matriculados em cursos de graduação em saúde usando um questionário on-line. Participam do estudo 86 alunos. O tema sexualidade foi considerado fechado na família. A universidade foi apontada como a principal fonte de informação referente ao tema. A maioria afirmou ter utilizado o preservativo na última relação e sempre se previne, porém confessou já ter negligenciado o uso em algum momento por descuido, confiança no parceiro ou não querer usar.. Conclui-se que os participantes fazem uso do método de forma irregular, mesmo referindo terem elevado conhecimento sobre a questão. Apesar de serem futuros multiplicadores de informações, os alunos pesquisados demonstraram não fazer na prática aquilo que irão ensinar a seus futuros pacientes.


Human immunodeficiency virus infections are reaching alarming rates worldwide, especially among young people, as the use of condoms is lower among young people. The aim of this study was to evaluate the main source of guidance on the use of condoms among students of health courses at Pará State University, frequency of use, and reasons for not using them. This was a cross-sectional, prospective, descriptive study that included students enrolled in undergraduate health courses using an online questionnaire. Eighty-six students participated by answering the questionnaire. The subject of sexuality was considered an unmentioned topic in the family. The university was considered the main source of information on this topic. Most claimed to have used a condom the last time they had sexual intercourse and to be always preventive; however they already admitted to have neglected the use, on occasion, only because they had confidence in their partnet, or simply because they did not want to use one. In conclusion, participants used the method irregularly, despite indicating strong knowledge on the matter. Although they are future information disseminators, were inconsistent in practicing what they will one day be teaching to their future patients.


Assuntos
Humanos , Masculino , Feminino , Adulto , Educação em Saúde , Sexualidade , Educação Superior , Doenças Sexualmente Transmissíveis , Preservativos/estatística & dados numéricos
10.
Rev. bras. crescimento desenvolv. hum ; 28(3): 232-239, Jan.-Mar. 2018. tab
Artigo em Inglês | LILACS-Express | ID: biblio-1013497

RESUMO

INTRODUCTION: The early years of a child's life are marked by a significant development, as well as high sensitivity to environmental influences such as poverty, housing, quality and family structure. Thus, the identification of environmental risk factors and delayed neurodevelopment, coupled with early intervention, are essential for an healthy development.OBJECTIVE: To analyze the effect of environmental factors on the neuropsychomotor development of children in the Amazon community.METHODS: This is a quantitative and qualitative study of analytical and cross-sectional approach with 50 children between 24 and 36 months of age, of both sexes, living in an Amazonian community. Two types of the socio-economic-environmental questionnaire were used; a) Infant/Toddler (IT) HOME Inventory to analyze the quality of the family environment; b) the Denver Screening Test II for screening neurodevelopment. Also, a descriptive analysis was performed using a calculation of means and standard deviations.RESULTS: The study found that a significant majority of the children had normal neuropsychomotor development; however, children classified as delayed, the more significant impact variable in the development was the quality of the family environment, which in turn was influenced by the lower economic class, lack of water treatment, lack of electricity and external toilet.CONCLUSION: Environmental factors were not significant on the neuropsychomotor development of the local children of the Amazon community.


INTRODUÇÃO: É Os primeiros anos da vida de uma criança são marcados por um importante desenvolvimento, além da alta sensibilidade às influências ambientais, como condições de pobreza e moradia e qualidade e estrutura familiar. Desta forma, a identificação de fatores de riscos ambientais e atrasos do desenvolvimento neuropsicomotor, somada a intervenção precoce, são essenciais para um desenvolvimento saudável.OBJETIVO: Analisar o efeito dos fatores ambientais no desenvolvimento neuropsicomotor de crianças em comunidade Amazônica.MÉTODO: Estudo quali-quantitativo do tipo transversal e analítico, realizado com 50 crianças entre 24 e 36 meses de idade, de ambos os sexos, residindo em uma comunidade Amazônica. Foram utilizados um questionário socioeconômico-ambiental, o Infant/Toddler (IT) HOME Inventory, para analisar a qualidade do ambiente familiar e o Teste de Triagem de Denver II, para triagem do desenvolvimento neuropsicomotor, e a análise descritiva dos dados foi feita utilizando o cálculo das médias e desvios padrão.RESULTADOS: O estudo constatou que a maioria significativa das crianças apresentou o desenvolvimento neuropsicomotor normal, no entanto, das crianças classificadas com atraso, a variável de maior impacto no desenvolvimento foi a qualidade do ambiente familiar, que por sua vez sofreu influência da classe econômica inferior, falta de tratamento da água, ausência de energia elétrica e banheiro tipo externo.CONCLUSÃO: Os fatores ambientais não foram significativos perante o desenvolvimento neuropsicomotor das crianças ribeirinhas da comunidade amazônica.

11.
Rev. ciênc. méd., (Campinas) ; 26(3): 127-133, set.-dez. 2017.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-948386

RESUMO

da incontinência urinária de mulheres no climatério. Trata-se de revisão bibliográfica a partir dos termos climatério, incontinência urinária e fi sioterapia, bem como de suas variantes em inglês, nas bases LILACS, MedLine/PubMed, SciELO e PEdro. Observou- -se que a fisioterapia para mulheres no climatério com incontinência urinária contribui diretamente para melhorias no quadro clínico e controle miccional, sendo a cinesioterapia e o treinamento do assoalho pélvico as técnicas mais mencionadas. Não houve grande aprofundamento nas especificidades do climatério. O estudo conclui que a fisioterapia pélvica pode contribuir de modo decisivo no tratamento da incontinência urinária no climatério, sendo necessárias pesquisas de melhor qualidade metodológica para aprofundar os estudos de fisioterapia e direcioná-los às especificidades desse período.


The objetive to describe the contributions of physiotherapy on Urinary Incontinence in climacteric women. Electronic research by the terms menopause, urinary incontinence and physiotherapy and its variants in Portuguese at the electronic databases LILACS, MedLine/PubMed, SciELO and PEdro. The physiotherapy for climacteric women with urinary incontinence contributes to improvements of voiding control and other symptoms, where kinesiotherapy and pelvic floor muscle training were the most common. There was not much specificities of menopause. Pelvic physiotherapy may contribute decisively to the treatment of Urinary Incontinence in menopause women, but studies with better methodological quality are necessary, especially for the specificities of the menopause.


Assuntos
Humanos , Feminino , Incontinência Urinária , Mulheres , Climatério , Diafragma da Pelve , Fisioterapia , Climatério
12.
Fisioter. Bras ; 18(2): f: 189-I: 196, 2017000.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-884406

RESUMO

Introdução: O câncer de colo do útero se apresenta como a segunda neoplasia maligna mais comum entre as mulheres. Seu tratamento consiste principalmente em cirurgias, quimioterapia e radioterapia, o que pode trazer como consequência disfunções no assoalho pélvico. Objetivo: Objetivou-se neste estudo avaliar as disfunções do assoalho pélvico consequente ao tratamento de câncer do colo do útero. Material e métodos: Durante a coleta de dados foram avaliadas 12 mulheres, investigando presença de dispareunia, grau de força da musculatura pélvica, presença de disfunção miccional e existência de estenose vaginal. Resultados: Ao verificar dispareunia, observou-se que 75% das pacientes relataram dor durante a relação sexual. No que diz respeito à força dos músculos do assoalho foi verificado que 41,7% das mulheres apresentavam AFA 2. Quanto à presença de disfunção miccional, nenhuma das pacientes relatou alguma disfunção. Ao verificar presença de estenose vaginal, observou-se uma media de 6,63. Quando comparado o número de sessões de radioterapia com a estenose vaginal, não houve significância estatística devido ao número restrito da amostra. Conclusão: Com o trabalho pode-se concluir que entre as participantes deste estudo, todas apresentaram alguma disfunção do assoalho pélvico após o tratamento de câncer do colo do útero. (AU)


Introduction: The cervical cancer appears as the second most common neoplasm malignancy among women worldwide. Its treatment consists mainly on surgery, chemotherapy and radiotherapy. As a result of this treatment dysfunctions of the pelvic floor muscles can be caused. Objective: The object of this study was to identify the pelvic floor dysfunctions after treatment of cervical cancer. Methods: During data collection twelve women were evaluated and investigated the presence of dyspareunia, the muscular strength of the pelvic floor, urinary symptoms and existence of vaginal stenosis. Results: The dyspareunia was observed and found that 75% of patients reported pain during intercourse. In reference to the muscular strength of the pelvic floor we found that 41.7% of women had AFA2. Nobody reported urinary symptoms. The vaginal stenosis was also observed and the mean was 6.63 cm. When comparing the number of radiotherapy sessions with vaginal stenosis, we did not have statistical significance due to the restricted sample. Conclusion: We concluded that pelvic floor dysfunctions are common after treatment of the cervical cancer. (AU)


Assuntos
Humanos , Feminino , Adulto , Pessoa de Meia-Idade , Neoplasias do Colo do Útero , Colo do Útero , Diafragma da Pelve , Saúde Sexual , Incontinência Urinária
13.
Saude e pesqui. (Impr.) ; 9(3): 579-585, set-dez 2016.
Artigo em Português | LILACS-Express | ID: biblio-833017

RESUMO

O objetivo deste estudo foi abordar a estudar relação entre disfunções sacroilíacas (DSI) e disfunção sexual (DS). Buscou-se nas bases de dados SciELO e PUBMED por artigos de 2006 a 2012 nas línguas portuguesa e inglesa, com as palavras-chave articulação sacroilíaca e disfunção sexual feminina, resultando em sete artigos. Os resultados mostraram que fraturas da cintura pélvica estão relacionadas à DS feminina. Apesar de as bases teóricas apontarem clara relação entre outras DSI que não fraturas e a DS, esta relação não teve respaldo na literatura. Conclui-se que se necessitam de estudos explorando as alterações anatômicas e biomecânicas da articulação sacroilíaca, especialmente as que gerem fraqueza ou tensão da musculatura do assoalho pélvico como possíveis fatores etiológicos da DS


Relationships between sacroiliac (SID) and sexual dysfunctions (SD) are investigated by researching at SciELO and PUBMED databases for articles in English and Portuguese, published between 2006 and 2012, with keywords sacroiliac articulation and female sexual dysfunction. Seven articles were retrieved. Results showed that fractures of pelvic waist are related to female SD. Although theoretical bases indicate clear relationship among other non-fracture SIDs and SD, relationship was not found in the literature. Further studies should be undertaken on anatomical and biomechanical changes of the sacroiliac articulation, especially those that weaken or cause tension on the pelvic floor as possible etiological SD factors.

14.
Fisioter. Bras ; 17(6): f: 544-I: 550, nov.-dez. 2016.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-883380

RESUMO

Introdução: A disfunção sexual feminina (DSF) é condição prevalente e que impacta negativamente sobre o emocional e a qualidade de vida. Apesar dos apontamentos da relação da DSF com o desgaste emocional por insatisfação sexual (DEIS) e inteligência emocional (EI), a associação entre eles não é clara. Objetivo: Estudar a função sexual feminina e sua associação com DEIS e EI. Métodos: Convite em redes sociais e cartazes para maiores de idade. Avaliação da função sexual com o FSFI, o DEIS com o Female Sexual Distress Scale ­ Revised (FSDSr) e EI com o AES, além de um questionário sociodemográfico; associações pelo Teste-T ou Chi-quadrado. Resultados: Das 39 mulheres sexualmente ativas que responderam aos questionários, 25,6% apresentou DSF, sendo 58,9% no domínio orgasmo, 56,4% nos domínios dor e excitação, 51,3% no satisfação, 43,5% no desejo e 41% no lubrificação. Idade e uso de anticoncepcionais hormonais estiveram associados à DSF. IE esteve inversamente relacionada à DSF, e houve forte associação entre DSF e DEIS. Conclusão: DSF está associada ao DEIS e a menores escores de EI, além de idades mais jovens e o uso de anticoncepcionais hormonais. (AU)


Background: Female sexual dysfunction (FSD) is a prevalent condition and impacts negatively on emotional and quality of life. Despite the suppose relation between FSD sexual distress (SD) and emotional intelligence (EI), the association between them remains unclear. Objective: To study the female sexual function and its association with SD and EI. Methods: Invitation on social networks and posters for assessment of sexual function with the FSFI, SD with Female Sexual Distress Scale ­ Revised (FSDSr) and EI with the AES, and a sociodemographic questionnaire; associations by T-test or Chi-square. Results: Of the 39 sexually active women who answered the questions, 25.6% presented DSF, with 58.9% in the orgasm domain, 56.4% in the domains pain and excitement, 51.3% satisfaction, 43.5% desire and 41% lubrication. Age and use of hormonal contraceptives were associated with DSF. IE was inversely related to the DSF, and there was a strong association between DSF and SD. Conclusion: DSF is associated with the SD and lowest scores of EI, and younger ages and the use of hormonal contraceptives. (AU)


Assuntos
Humanos , Feminino , Adolescente , Sexualidade , Inteligência Emocional , Prevalência , Estresse Psicológico
15.
Fisioter. Bras ; 17(1): f: 50-I: 55, jan.-fev. 2016.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-876505

RESUMO

Introdução: Uma das possibilidades de tratamento da incontinência urinária (IU) é a fisioterapia, e a eletroestimulação funcional (EE) é um dos recursos que se destaca após a prostatectomia radical (PR). Objetivo: Avaliar os efeitos da eletroestimulação funcional endo-anal na recuperação funcional da continência urinária de homens submetidos à PR. Material e métodos: Foram utilizados como instrumentos de avaliação o Pad Test, a Avaliação Funcional do Assoalho Pélvico (AFA) e o questionário King's Health Questionnaire (KHQ), aplicados antes e após o protocolo de tratamento com EE, em uma amostra de 3 participantes. Resultados: Nos resultados obtidos houve diminuição de perda urinária e do número de fraldas usadas diariamente, assim como o aumento de força muscular em todos os participantes. No tocante à qualidade de vida, após a aplicação do protocolo de tratamento, houve diferença estatisticamente significativa nos domínios de limitação de atividades diárias e relações pessoais do KHQ; além disso, houve diminuição no número e gravidade dos sintomas miccionais. Conclusão: A EE foi eficaz na diminuição dos sintomas e do volume de perdas urinárias, bem como para o aumento da força muscular do assoalho pélvico, além de melhorar aspectos da qualidade de vida. (AU)


Introduction: One of the possibilities of treatment of urinary incontinence (UI) is physical therapy, and functional electrical stimulation (FES) is a feature that stands out after radical prostatectomy (RP). Objective: To evaluate the effects of functional electrical stimulation endo-anal in the functional recovery of urinary continence of men undergoing RP. Methods: We used as assessment tools the Pad Test, the functional evaluation of the pelvic floor and the questionnaire King's Health Questionnaire (KHQ), applied before and after the treatment protocol with ES, in a sample of 3 participants. Results: The results obtained decreased urinary loss and the number of diapers used daily, as well as increased muscle strength in all participants. Regarding quality of life, after applying the treatment protocol, there was a statistically significant difference in the areas of limitation of daily activities and personal relations; moreover, there was a decrease in the number and severity of urinary symptoms. Conclusion: The effects of FES was effective in reducing the symptoms and the volume of urine loss, as well as increasing muscle strength of the pelvic floor, and improving aspects of quality of life.(AU)


Assuntos
Humanos , Estimulação Elétrica , Prostatectomia , Incontinência Urinária , Humanos , Fisioterapia , Qualidade de Vida
16.
Rev. ciênc. méd., (Campinas) ; 24(3): 121-130, 20150000.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-837118

RESUMO

O vaginismo é uma desordem sexual caracterizada por espasmos involuntários persistentes ou recorrentes da musculatura perineal e que interferem na relação sexual, levando ao comprometimento das relações interpessoais e conjugais da mulher. A fisioterapia é um recurso terapêutico recente na área da urologia e ginecologia e ainda são raros os estudos os quais abordam este tratamento para o vaginismo. Por causa disso, objetivou-se pesquisar a importância da fisioterapia pélvica e os recursos utilizados no tratamento de mulheres portadoras de vaginismo. Foi realizada uma revisão bibliográfica, tendo como base de dados Lilacs, PubMed e SciELO e incluindo teses, documentos legais e livros sobre o tema, entre os anos de 2001 e 2014. Quanto ao manejo da problemática, o fisioterapeuta se encontra preparado para abordar e tratar a queixa, pois é envolto de vários recursos e técnicas para compreender e abordar o vaginismo, ressaltando a importância do diagnóstico e de uma avaliação completa. Concluiu-se que a fisioterapia pélvica promove efeito significativo sobre a qualidade de vida e satisfação sexual de mulheres portadoras dessa desordem sexual.


Vaginismus is a sexual disorder characterized by persistent or recurrent involuntary spasms of the perineal muscles that interfere with sexual intercourse, leading to impairment of marital and interpersonal relationships of women. Physical therapy is a new therapeutic approach in the field of urology and gynecology and, as yet, there are relatively few studies addressing the treatment for this sexual dysfunction. As a result, the objective of this study was to discuss about the importance of physical therapy for pelvic floor disorders and also to examine the resources used in the treatment of women with vaginismus. It was held a review of articles in the databases Lilacs, PubMed and SciELO, published between 2001 and 2014; in addition to theses, legal documents and books that address the issue. The results show that concerning the management of this disturbance, the physiotherapist is prepared to address and treat this complaint. It was also found that the practitioner is surrounded by multiple resources and techniques to understand and address the vaginismus, to carry out the diagnosis as well as the assessment process. To sum up, it was concluded that the pelvic-floor physical therapy promotes significant effect on the quality of life and on the sexual satisfaction of women with this dysfunction.


Assuntos
Humanos , Feminino , Reabilitação , Fisioterapia , Vaginismo , Pelve , Biorretroalimentação Psicológica , Modalidades de Fisioterapia
17.
Femina ; 42(6): 251-254, nov-dez. 2014. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-749144

RESUMO

A incontinência urinária de esforço é caracterizada por toda perda involuntária de urina causada por uma força excessiva sobre a musculatura do assoalho pélvico. A fisioterapia urológica tem como objetivo reabilitar essa musculatura através de exercícios do assoalho pélvico, biofeedback, eletroestimulação e cones vaginais. O objetivo desta pesquisa foi revisar e apontar a importância da reabilitação fisioterapêutica em paciente com incontinência urinaria de esforço. Este estudo foi realizado com base na revisão literária, obedecendo aos critérios de inclusão. Verificou-se a importância da fisioterapia urológica em pacientes com incontinência urinaria de esforço, pelos métodos utilizados nessa reabilitação, assim proporcionando ao paciente uma melhor opção de tratamento.(AU)


Stress urinary incontinence is characterized by involuntary loss of urine caused by excessive force on the muscles of the pelvic floor. Neurological physiotherapy aims to rehabilitate the musculature through pelvic floor exercises, biofeedback, electrical stimulation and vaginal cones. The objective of this research is to review and point out the importance of Physiotherapeutic Rehabilitation in patients with Stress urinary incontinence. This study was conducted as a literary review, obeying the criteria of inclusion. It was observed the importance of neurological physiotherapy in patients with urinary incontinence of effort, by methods used in rehabilitation, thus giving the patient a better treatment option.(AU)


Assuntos
Feminino , Incontinência Urinária por Estresse/terapia , Modalidades de Fisioterapia , Vagina/fisiopatologia , Terapia por Estimulação Elétrica , Bases de Dados Bibliográficas , Retroalimentação Fisiológica/fisiologia , Treinamento de Resistência/instrumentação , Distúrbios do Assoalho Pélvico/terapia
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA