Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 4 de 4
Filtrar
Mais filtros










Base de dados
Intervalo de ano de publicação
1.
J. bras. med ; 101(6)nov.-dez. 2013. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-712202

RESUMO

A apoptose tem papel fundamental na manutenção da homeostase tissular e na eliminação de células geneticamente alteradas ou que albergam vírus. No ciclo menstrual, a apoptose atua contribuindo para a homeostase celular do endométrio, eliminando as células da camada funcional endometrial durante as fases secretora e menstrual do ciclo. A família do oncogene Bcl-2 tem sido extensamente estudada no tecido endometrial e endometriótico. O endométrio eutópico de mulheres com a endometriose apresenta diferenças fundamentais ao ser comparado com o endométrio de pacientes sem endometriose. Essas diferenças podem ser responsáveis pela sobrevida das células endometriais advindas do fluxo menstrual retrógrado na cavidade peritoneal e no desenvolvimento da endometriose. Este artigo consiste numa revisão da literatura sobre a importância da morte celular via apoptose no endométrio normal e no endométrio de mulheres portadoras de endometriose.


Apoptosis is very important in the homeostasis of tissues. Its function consists in the elimination of the excessive or disfunctional cells. In menstrual cycle, the role of apoptosis is the homeostasis of endometrium, eliminating all cells of the functional layer during secretory phase and menstruation. The oncogene Bcl-2 family has been studied in endometrium and endometriosis. Ectopic endometrium from women with endometriosis has differences from endometrium of patients without the disease. These differences can be responsible for the survival of endometrial cells regurgitated in peritoneal cavity and development of endometriosis. The apoptosis is being studied in the pathogenesis of endometriosis. This paper consists in a review of apoptosis, its role in the endometrium of patients with and without endometriosis.


Assuntos
Humanos , Feminino , Apoptose , Endometriose , Endométrio/patologia , Ciclo Menstrual
2.
Femina ; 38(6): 311-315, jun. 2010. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-600191

RESUMO

A Tensão pré-menstrual (TPM) é uma síndrome comum em mulheres na fase reprodutiva, sendo caracterizada por sintomas físicos e emocionais que ocorrem de forma cíclica durante a fase lútea do ciclo menstrual. Mulheres que apresentam sintomatologia mais severa são classificadas como portadoras de Distúrbio Disfórico Pré-Menstrual (DDPM). Ambas as situações clínicas podem se manifestar com uma grande variedade de sintomas incluindo depressão, labilidade emocional, distensão abdominal, mastalgia, cefaleia e fadiga. O manejo e tratamento adequados dos sintomas pré-menstruais têm sido uma grande incógnita para os clínicos. Porém, com base em vários estudos científicas realizadas na última década, hoje há critérios diagnósticos para a forma mais severa desta condição clínica, a DDPM, assim como novas estratégias terapêuticas. Esta revisão apresentou uma descrição prática e compreensiva do que os clínicos necessitam saber para diagnosticar e tratar os sintomas pré-menstruais, assim como critérios diagnósticos para diferenciação de TPM e DDPM.


Premenstrual syndrome (PMS) is common in women in reproductive phase and is characterized by emotional and physical symptoms that cyclically occur during the luteal phase of the menstrual cycle. Women with more severe symptoms are classified as having Premenstrual Dysphoric Disorder (PMDD). Both clinical situations can appear with a wide variety of symptoms, including depression, mood lability, abdominal pain, breast tenderness, headache and fatigue. The appropriate management and treatment of adverse premenstrual symptoms has been a difficult challenge for clinicians. However, based on numerous scientific studies over the last decade, there are nowadays diagnostic criteria for the severe form of the syndrome, PMDD, and new evidence-based therapeutic strategies. This review presented a comprehensive and practical description of what the clinicians need to know in order to diagnose and treat premenstrual symptoms, as well as diagnostic criteria to differentiate PMS and PMDD.


Assuntos
Humanos , Feminino , Ciclo Menstrual , Hormônios/uso terapêutico , Inibidores Seletivos de Recaptação de Serotonina/uso terapêutico , Estilo de Vida , Atividade Motora , Medicina Baseada em Evidências/tendências , Síndrome Pré-Menstrual/diagnóstico , Síndrome Pré-Menstrual/tratamento farmacológico , Síndrome Pré-Menstrual/terapia , Vitaminas/uso terapêutico
3.
Rev. bras. ginecol. obstet ; 29(5): 260-266, maio 2007. tab
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-464664

RESUMO

OBJETIVO: comparar a morbidade de puérperas portadoras e não-portadoras do vírus da imunodeficiência humana (HIV). MÉTODOS: estudo prospectivo, controlado, realizado entre julho de 2001 e setembro de 2003, com inclusão na ocasião do parto de pacientes portadoras e não-portadoras do HIV. A morbidade foi dividida em menor (sangramento pós-parto aumentado, febre e endometrite) e maior (hemotransfusão, alterações profundas da ferida operatória e necessidade de intervenção cirúrgica), e foi avaliada quanto à presença ou não de infecção pelo HIV e o tipo de parto. Foram avaliadas 205 puérperas: 82 portadoras do HIV (grupo HIV-casos) e 123 não-portadoras. As variáveis contínuas foram analisadas pelo teste t de Student, e as categóricas pelos testes do chi2 e exato de Fisher, por meio do software Epi-Info 2000 (CDC, Atlanta). RESULTADOS: ocorreu morbidade puerperal em 18 pacientes do grupo HIV-casos (22 por cento) e 17 do grupo-controle (14 por cento), com predomínio das variáveis de morbidade menor, sem diferença significativa entre os grupos, exceto pelo risco mais alto de endometrite no grupo HIV-casos (RR=1,05; IC a 95 por cento:1,01-1,1). Não foi observada diferença significativa entre os grupos quanto aos tipos de parto. Houve somente duas ocorrências de morbidade maior: hemotransfusão e fasciite necrotizante. CONCLUSÕES: puérperas portadoras do HIV apresentam morbidade semelhante à das puérperas não-portadoras do vírus, apesar da predominância de morbidade menor e do risco aumentado de endometrite no grupo portador do vírus. O acompanhamento clínico no puerpério imediato é estratégico para a identificação precoce da morbidade materna.


PURPOSE: to evaluate puerperal morbidity in HIV-infected and HIV non-infected puerperal women. METHODS: longitudinal and controlled study performed from July 2001 to September 2003, in 205 pregnant women admitted for birth delivery at Odete Valadares Maternity, divided in two groups: HIV-infected women (82) and HIV non-infected women (123). Postpartum morbidity evaluation was performed from birth delivery up to 15 days postpartum. Morbidity was categorized as minor (postpartum hemorrhage, fever and endometritis) or major (blood transfusion, deep alterations of the surgical wound and indication for surgical intervention), and was evaluated both according to the presence or absence of HIV infection and the mode of delivery. Continuous variables were analyzed by the Students t-test, and categorical variables were analyzed by chi2 and Fishers exact test using Epi-Info 2000 (CDC, Atlanta). RESULTS: puerperal morbidity was observed in 18 patients from the HIV group (22 percent) and in 17 patients from the control group (14 percent) with predominance of minor morbidity, without statistical significance, except for an increased risk of endometritis in the HIV group (RR=1.05; CI 95 percent:1.01-1.10). No significant difference was observed concerning the mode of delivery between the two groups. There were only two major morbidities: blood transfusion and necrotizing fasciitis. CONCLUSIONS: HIV-infected and non-infected puerperal women have a similar morbidity, despite the lower morbidity in the HIV non-infected group and the increased risk of endometritis in the HIV group. Clinical puerperium follow-up is a strategic control tool for an early identification of maternal morbidity.


Assuntos
Humanos , Feminino , Gravidez , Estudos de Casos e Controles , Cesárea , Endometrite , Infecção Puerperal/epidemiologia , Infecções por HIV/transmissão , Período Pós-Parto
4.
J. bras. med ; 82(5): 17-25, maio 2002. ilus, tab, graf
Artigo em Português | LILACS | ID: lil-316943

RESUMO

Endometrite é um processo inflamatório endometrial, freqüentemente diagnosticado em mulheres que säo submetidas à análise histológica do endométrio. Várias säo as etiologias da endometrite, desde causas infecciosas até causas imunológicas. As manifestações clínicas podem ser variadas, sendo a hipermenorragia a mais freqüente. Os autores fazem uma revisäo bibliográfica sobre esta entidade, abrangendo os aspectos epidemiológicos e etiológicos, assim como as manifestações clínicas, histopatologia e história natural


Assuntos
Humanos , Feminino , Endometrite , Útero/fisiopatologia
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...