Your browser doesn't support javascript.
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 2.469
Filtrar
4.
JAMA ; 322(22): 2173-2174, 2019 Dec 10.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31821434
5.
Estud. pesqui. psicol. (Impr.) ; 18(4): 1393-1414, out.-dez. 2019.
Artigo em Português | LILACS, Index Psicologia - Periódicos técnico-científicos | ID: biblio-995166

RESUMO

A finalidade desse artigo é discutir a importância do movimento negro a partir da década de 1930 em decorrência do seu papel político no cenário nacional, ao denunciar a existência do preconceito racial no Brasil e a relação desigual entre brancos e negros. Definimos como pontos de referência desse movimento a criação tanto da Frente Negra Brasileira (FNB), em 1931, como do Teatro Experimental do Negro (TEN), em 1944. As duas organizações em suas análises da situação do negro expuseram essa questão frequentemente em termos marcados por conteúdo psicológico, visando explicar ou resolver sua condição de exclusão. Pretende-se discutir o papel desse movimento na difusão de uma discussão sobre a autoimagem do negro e seu papel social a partir da racialização política do lugar desse sujeito histórico no Brasil.(AU)


The present article to discuss the importance of the black movement from the 1930s on account of its political role on the national scene when denouncing the existence of racial prejudice in Brazil and the unequal relationship between whites and blacks. We defined as reference points of this movement the creation of both the Frente Negra Brasileira (FNB) in 1931 and the Teatro Experimental do Negro (TEN) in 1944. The two organizations in their analysis of the situation of the Negro often presented this question in terms marked by a psychological content whose attempt was to explain or solve their condition of exclusion. What we want to discuss is the role of this movement in the diffusion of a discussion about the black self-image and its social role from the political racialization of the place of this historical subject in Brazil.(AU)


La finalidad de este artículo es discutir la importancia del movimiento negro a partir de la década de 1930 como consecuencia de su papel político en el escenario nacional al denunciar la existencia del prejuicio racial en Brasil y la relación desigual entre blancos y negros. En 1931 se definió como puntos de referencia de ese movimiento la creación tanto del Frente Negra Brasileira (FNB), en 1931, como del Teatro Experimental do Negro (TEN), en 1944. Las dos organizaciones, en sus análisis de la situación del negro, expusieron esta cuestión frecuentemente en términos marcados por un contenido psicológico, cuyo intento era explicar o resolver su condición de exclusión. Lo que se pretende discutir es el papel de ese movimiento en la difusión de una discusión sobre la autoimagen del negro y su identidad a partir de la racialización política del lugar de ese sujeto histórico en Brasil.(AU)


Assuntos
Racismo , Política , Psicologia/história
6.
RECIIS (Online) ; 13(4)out.-dez. 2019. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1047501

RESUMO

Discutindo sob o viés interseccional, o artigo busca expor a problemática da invisibilidade midiática das mulheres negras youtubers dentro do contexto da cultura participativa. Identificamos e observamos canais de mulheres youtubers a partir do recorte das temáticas do feminismo e empoderamento feminino, e realizamos um estudo descritivo com abordagem quanti-qualitativa, analisando as aproximações e distanciamentos dos canais a partir das categorias de alcance, interação e temática. Conclui-se que as youtubers negras interagem de forma mais significativa do que as youtubers não negras, o que não interfere no alcance dos canais, visto que as youtubers negras possuem dados de alcance inferior às youtubers não negras. Observamos que mesmo podendo atingir todas as mulheres, as falas das youtubers negras podem ser entendidas com enfoque na questão racial, enquanto isso, identificamos um discurso universal do 'ser mulher' nas falas das youtubers não negras, fator que pode contribuir para o alcance expressivo.


Discussing under the intersectional bias, the article seeks to expose the problem of media invisibility of black women youtubers within the context of participatory culture. We identified and observed channels of female youtubers from the cut of the themes of feminism and female empowerment, and we conducted a descriptive study with quantitative and qualitative approach, analyzing the approximations and distances of the channels from the reach, interaction and thematic categories. It is concluded that black youtubers interact more significantly than non-black youtubers, which does not interfere with the range of the channels, as black youtubers have lower range data than non-black youtubers. We note that even though it can reach all women, the black youtubers' speeches can be understood with focus on the racial issue, meanwhile, we identified a universal discourse of 'being a woman' in the non-black youtubers speeches, a factor that can contribute to the expressive reach.


Discutiendo bajo el sesgo interseccional, el artículo busca exponer el problema de la invisibilidad mediática de las youtubers negras en el contexto de la cultura participativa. Identificamos y observamos canales de youtubers mujeres a partir del corte de los temas del feminismo y el empoderamiento femenino, y realizamos un estudio descriptivo con enfoque cuantitativo y cualitativo, analizando las aproximaciones y distancias de los canales desde el alcance, la interacción y las categorías temáticas. Se concluye que las youtubers negras interactúan de manera más significativa que las youtubers no negras, lo que no interfiere con el rango de los canales, ya que las youtubers negras tienen datos de rango más bajos que las youtubers no negras. Observamos que, aunque puede llegar a todas las mujeres, los discursos de las youtubers negras se pueden entender con un enfoque en el tema racial, mientras que identificamos un discurso universal de 'ser mujer' en los discursos de las youtubers no negras, un factor que puede contribuir al alcance expresivo.


Assuntos
Humanos , Poder (Psicologia) , Feminismo , Grupo com Ancestrais do Continente Africano , Mulheres , Epidemiologia Descritiva , Webcasts , Mídia Audiovisual , Mídias Sociais , Racismo
7.
RECIIS (Online) ; 13(4): 725-735, out.-dez. 2019.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1047528

RESUMO

O Exército Zapatista de Liberação Nacional (EZLN) e suas bases de apoio são formados predominantemente por indígenas que vivem na região de Chiapas, no México. O movimento constrói uma profunda experiência de autonomia, o que passa por diferentes dimensões da vida coletiva. Neste artigo, pretendemos, a partir de um trabalho de campo realizado na região, nos focar na saúde autônoma. A concepção de saúde está estritamente relacionada com a noção de terra, já que para ter saúde é preciso pertencer a um cosmos, permeado pelo respeito recíproco entre os mais diferentes seres, em uma luta constante para engrandecer o ch'ulel (espírito) e, com isso, caminhar rumo ao lekil kuxlejal (Bem Viver). Para colocar em prática esses princípios, o cuidado em saúde é protagonizado pelos promotores autônomos de saúde e pelas assembleias comunitárias.


The Zapatista Army of National Liberation (EZLN, in Spanish) and its bases are formed predominantly by indigenous languages living in the region of Chiapas, Mexico. The movement builds a profound experience of autonomy, which goes through different dimensions of collective life. In this article, we intend, from a fieldwork carried out in the region, to focus on autonomous health. The conception of health is closely related to the notion of land, since in order to have health it is necessary to belong to a cosmos, permeated by mutual respect between the most different beings, in a constant struggle to ennoble the ch'ulel (spirit) and thus to walk to the lekil kuxlejal (Good Living). To put these principles into practice, healthcare is carried out by autonomous health promoters and communal assemblies.


El Ejército Zapatista de Liberación Nacional (EZLN) y sus bases de apoyo son formados predominantemente por indígenas que viven en la región de Chiapas, México. El movimiento construye una experiencia profunda de autonomía, que atraviesa diferentes dimensiones de la vida colectiva. En este artículo, nos proponemos, a partir de un trabajo de campo realizado en la región, enfocar la salud autónoma. La concepción de salud guarda una estrecha relación con la noción de tierra, ya que para tener salud es necesario pertenecer a un cosmos, impregnado por el respeto mutuo entre los seres más diferentes, en una lucha constante para engrandecer el ch'ulel (espíritu) y, de este modo, caminar hasta el lekil kuxlejal (Buen Vivir, también llamado Vivir Bien). Para poner en práctica estos principios, la asistencia en salud se lleva a cabo por los promotores autónomos de salud y por las asambleas comunitarias.


Assuntos
Humanos , Colonialismo , Capitalismo , População Indígena , Antropologia Médica , Antropologia Cultural , Organização Comunitária , Racismo , Direitos dos Povos Indígenas , Cultura Indígena , Promoção da Saúde , México
8.
RECIIS (Online) ; 13(4): 754-767, out.-dez. 2019. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1047537

RESUMO

Este artigo objetiva analisar o fomento do debate público promovido pela cobertura jornalística on-line sobre a questão do suicídio de adolescentes e jovens negros no Brasil. Para isso, foram selecionadas três reportagens de três veículos de comunicação: G1 ­ Ciência e Saúde (ligado às Organizações Globo), Nexo (jornal digital independente) e o Alma Preta (agência de jornalismo especializada na temática étnica do Brasil). Com o uso de teorias sobre prática jornalística, opinião pública e silêncio, além do emprego da hermenêutica de profundidade, este estudo concluiu que a mídia não promove integralmente o debate público sobre a questão. O G1 ­ Ciência e Saúde reproduziu o discurso da mídia hegemônica, não dando voz para os negros; o Nexo foi o jornal que tratou o tema de forma mais completa, com uso de dados e fontes, sendo negra uma delas; e o Alma Preta foi o que menos abriu espaço para identificação do público negro, com a ausência de fontes e falta de representação.


This article aims to analyze the public debate at online journalistic coverage on the issue of suicide among black teenagers and young people in Brazil. For this, three news from three media were selected: G1 Ciência e Saúde (linked to Globo Organizations), Nexo (independent digital newspaper) and Alma Preta (journalism agency specializing in ethnic issues in Brazil). Using theories of journalistic practice, public opinion and silence, as well as the use of deep hermeneutics, this study concluded that the media does not fully promote public debate on the issue. G1 ­ Ciência e Saúde reproduced the hegemonic media discourse, giving no voice to blacks; Nexo was the newspaper that dealt with the theme most completely, using data and sources, one of them being black; and Alma Preta was the least open to the identification of the black public, with the absence of sources and lack of representation.


Este artículo tiene como objetivo analizar el debate público a través de la cobertura periodística online sobre el tema del suicidio entre adolescentes y jóvenes negros en Brasil. Para esto se seleccionaron tres medios: G1 ­ Ciência e Saúde (vinculado a Organizaciones Globo), Nexo (periódico digital independiente) y Alma Preta (agencia de periodismo especializada em temas étnicos en Brasil). Utilizando teorías de práctica periodística, opinión pública y silencio, así como el uso de una hermenéutica profunda, este estudio concluyó que los medios no promueven completamente el debate público sobre el tema. G1 ­ Ciência e Saúde reprodujo el discurso de los medios hegemónicos, sin dar voz a los negros; Nexo fue el periódico que trató el tema más completamente, utilizando datos y fuentes; y Alma Preta fue la menos abierta a la identificación del público negro, con la ausencia de fuentes y la falta de representación.


Assuntos
Humanos , Suicídio/prevenção & controle , Adolescente , Jornalismo , Grupo com Ancestrais do Continente Africano , Saúde das Minorias Étnicas , Política de Saúde , Opinião Pública , Suicídio/estatística & dados numéricos , Brasil , Meios de Comunicação , Morte , Populações Vulneráveis , Prevenção de Doenças , Mídias Sociais , Racismo , Hermenêutica
9.
RECIIS (Online) ; 13(4): 876-886, out.-dez. 2019. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1047660

RESUMO

"Eu sou um pessimista ativo, porque tenho fé". Assim Muniz Sodré se declara ao conceder à Reciis uma entrevista que trata sobre a questão de raça/etnicidades em articulação com os estudos da comunicação. O professor e pesquisador argumenta que a escravidão está enraizada na forma social brasileira, pois a abolição jurídico-política não foi suficiente para abolir os espíritos escravocratas. Mas que é preciso ter fé nas movimentações e contramovimentações sensíveis do corpo do outro, negro, o qual mobiliza as barreiras de imunidade racistas. Sodré entende que a expressão lugar de fala é uma reivindicação efêmera, pois acredita na virtude do corpo como um espaço de diálogo com outros lugares. Em relação aos estudos de comunicação e raça, argumenta que as pesquisas se restringem ainda às descrições das tecnologias da mídia, assim como as pesquisas de maneira geral, mas que esses estudos "têm um papel político forte: eles fazem emergir essa classe intelectual negra que estava submersa". Muniz Sodré é professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro.


Assuntos
Humanos , Fala , Grupos Étnicos , Comunicação , Cultura , Racismo , Preconceito , Ciências Sociais , Violência , Grupo com Ancestrais do Continente Africano , Homicídio , Relações Interpessoais
10.
RECIIS (Online) ; 13(4): 896-910, out.-dez. 2019. ilus
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1047674

RESUMO

A Política de Saúde Integral da População Negra reiterou a urgência de qualificação dos processos educativos no Sistema Único de Saúde (SUS) em prol da superação do racismo institucional. A revisão integrativa, apresentada neste artigo, analisou as concepções teóricas e as práticas educativas em estudos dirigidos à saúde da população negra. Foram utilizadas as bases de dados da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS); a Scientific Eletronic Library Online (SciELO); a ferramenta de pesquisa na web Google Scholar e o acervo darevista da Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as, a Revista da ABPN. A produção na temática é heterogênea, dispersa entre periódicos das áreas da educação, educação em saúde e interdisciplinar. Há vanguardismo da enfermagem e forte presença de estudos com povos e comunidades tradicionais. Nota-se dificuldade de interpenetração de referenciais teóricos e pedagógicos do campo da educação na sustentação das práticas educativas de saúde. Sugerem-se a cooperação e a integração científica entre esses campos visando ao protagonismo do sujeito negro nos processos de cuidado.


The Política de Saúde Integral da População Negra (Integral Health Policy of the Black Population) reiterated the urgency of qualifying educational processes in the Unified Health System (SUS ­ Sistema Único de Saúde) in order to overcome institutional racism. The integrative review presented in this article analyzed the theoretical conceptions and the educational practices in studies directed to the health of the black population. The databases of the Virtual Health Library (VHL); the Scientific Electronic Library Online (SciELO); the web search engine Google Scholar and the collection of the Revista da ABPN that is the magazine of the Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (Brazilian Association of Black Researchers) were examined. The production in this thematic is heterogeneous, dispersed in periodicals of the areas of education, health education and interdisciplinary. When the matter is the health of black population, the nursing is an avantgarde profession carrying out a number of studies with traditional peoples and communities. It was noted the difficulty of interpenetration of theoretical and pedagogical references of the field of education in support of educational health practices. We suggest the cooperation and the scientific integration between these fields aiming at the protagonism of the black population in the process of care.


La Política de Saúde Integral da População Negra (Política de Salud Integral de la Población Negra) reiteró la urgencia de calificación de los procesos educativos en el Sistema Único de Salud (SUS ­ Sistema Único de Saúde) en pro de la superación del racismo institucional. La revisión integrativa, presentada en este artículo, analizó las concepciones teóricas y las prácticas educativas en estudios dirigidos a la salud de la población negra. Se utilizaron las bases de datos de la Biblioteca Virtual en Salud (BVS); la Scientific Eletronic Library Online (SciELO); el motor de búsqueda web Google Scholar y el acervo de la Revista da ABPN, la cual es la revista de la Associação Brasileira de Pesquisadores/as Negros/as (Asociación Brasileña de Investigadores/ as Negros/as. La producción en la temática es heterogénea, dispersa entre periódicos del área de la educación, educación en salud y interdisciplinaria. La enfermería se destaca en la literatura acerca de la salud de la población negra en la cual hay fuerte presencia de estudios con pueblos y comunidades tradicionales. Se observa dificultad de interpenetración de referenciales teóricos y pedagógicos del campo de la educación en la sustentación de las prácticas educativas de salud. Proponemos la cooperación y la integración científica entre esos campos visando el protagonismo del sujeto negro en los procesos de cuidado.


Assuntos
Humanos , Educação em Saúde , Equidade em Saúde , Grupo com Ancestrais do Continente Africano , Racismo , Saúde das Minorias Étnicas , Fatores Socioeconômicos , Revisão , Equidade no Acesso aos Serviços de Saúde , Vulnerabilidade Social , Atividades Científicas e Tecnológicas , Estudos Interdisciplinares , Comunicação em Saúde
11.
Rev. psicanal ; 26(3): http://revista.sppa.org.br/index.php/RPdaSPPA/article/view/469/489, dez. 2019.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1050014

RESUMO

O artigo aborda a violência racial e o efeito de pensamento vindo de perspectivas minoritárias sobre o genocídio étnico-racial no Brasil. Ao seguir as pistas de uma perspectiva religiosa afro-brasileira sobre pretos velhos, o artigo sonda uma filosofia do tempo que insiste sobre a persistência atual da escravidão. E se, como parece sugerir a religiosidade afro-brasileira, o sistema de escravidão negra iniciado no século XV não terminou? A primeira seção do artigo esboça uma etnografia para retirar consequências dessa proposição sobre a duração do sistema escravista. Na segunda parte, o artigo articula essa proposição a posicionamentos do ativismo antirracista do movimento negro. Por fim se sugere uma leitura da relação entre a problemática racial e os limites da democracia brasileira (AU)


This paper approaches the racial violence and the effects of the thought of the minority perspectives about ethnic-racial genocide in Brasil. Following the leads of an afro-brazilian religious perspective about the preto velho, the article probes a time philosophy that insists in the endurance of the current slavery. And as the afro-Brazilian religiosity suggests, has the black slavery system, that initiated in the 15th century, finished yet? The first section of the article sketches an ethnography to get to the consequences of the proposition concerning the length of the enslavement system. In the second part, the paper articulates this proposition to place the anti-racist activism in the black movement. Finally, it suggests a possible relation between the racial issue and the brazilian democracy


El artículo aborda la violencia racial y el efecto de pensamiento de las perspectivas minoritarias sobre el genocidio étnico-racial en Brasil. Siguiendo las pistas de una perspectiva religiosa afro-brasileña acerca de los pretos velhos, el artículo indaga una filosofía del tiempo que insiste acerca de la persistencia actual de la esclavitud. Según lo que parece sugerir la religiosidad afro-brasileña, el sistema de esclavitud negra iniciado en el siglo XV ¿ha terminado? La primera sección del artículo esboza una etnografía para retirar consecuencias de esa proposición acerca de la duración del sistema esclavista. En la segunda parte el texto articula esa proposición con posicionamientos del activismo antirracista del movimiento negro. Por fin sugiere una lectura de la relación entre la problemática racial y los límites de la democracia brasileña


Assuntos
Racismo , Pobreza , Carência Psicossocial , Religião , Segregação Social
12.
Rev. psicanal ; 26(3): http://revista.sppa.org.br/index.php/RPdaSPPA/article/view/466/485, dez. 2019.
Artigo em Português | LILACS | ID: biblio-1049728

RESUMO

O trabalho aborda a experiência desenvolvida há 9 anos na Sigmund Freud Associação Psicanalítica, denominada SIG Intervenções Psicanalíticas, que promove intervenções clínico-políticas nos locais onde pessoas em sofrimento solicitam escuta. Os grupos de escuta e de testemunho constituem modalidades grupais do trabalho, agindo junto a sujeitos que sofrem violência com efeitos traumáticos e que vivem em situações de exclusão e vulnerabilidade. Tais grupos oferecem espaços de fala, onde a circulação da palavra transforma o sofrimento individualizado em coletivo, assim como o encontro com o outro promove a ressignificação da experiência e reinscrição social. Discute a maneira através da qual os mecanismos de silenciamento e desmentido que mantem o não dito levam à repetição que obstaculiza a ação ética e a mudança. O racismo é discutido como pano de fundo da desigualdade no Brasil e como fator determinante para a reprodução de políticas de violência de Estado (AU)


The work addresses the experience being developed from 9 years in the Sigmund Freud Psychoanalytic Association, called SIG Psychoanalytic Interventions, which promotes clinical-political interventions in places where people in distress request listening. The listening and witnessing groups constitutes group work modalities for subjects who suffer violence, with traumatic effects and live in situations of exclusion and vulnerability. They offer speech spaces, where the word circulation transforms individualized suffering into collective, and the encounter with the other promotes the re-signification of the experience and its social reinscription. It discusses how the silencing and denial mechanisms that hold the unsaid lead to repetition that hinders ethical action and change. Racism is discussed as the background of inequality in Brazil and a factor that supports the reproduction of State violence policies


El trabajo aborda la experiencia que se desarrolla hace 9 años en la Sigmund Freud Asociación Psicoanalítica, que se denomina SIG Intervenciones Psicoanalíticas y promociona las intervenciones clínico-políticas en lugares en los que las personas en sufrimiento solicitan la escucha. Los grupos de escucha y testimonio constituyen modalidades grupales de trabajo actuando con sujetos que sufren violencia, con efectos traumáticos y viven en situaciones de exclusión y vulnerabilidad. Ofrecen espacios de habla, donde la circulación de la palabra transforma el sufrimiento individualizado en colectivo, y el encuentro con el otro, la resignificación de la experiencia y la reinscripción social. Discute, además, cómo los mecanismos de silenciamiento y desmentida que sostienen lo no dicho llevan a la repetición que dificulta la acción ética y el cambio. El racismo se discute como el trasfondo de la desigualdad en Brasil y factor determinante para la reproducción de las políticas de violencia


Assuntos
Racismo , Pobreza , Violência , Processos Grupais
13.
BMJ ; 367: l7004, 2019 12 20.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31862785

Assuntos
Racismo
14.
Ágora (Rio J. Online) ; 22(3): 273-279, set.-dez. 2019.
Artigo em Português | LILACS, Index Psicologia - Periódicos técnico-científicos | ID: biblio-1043579

RESUMO

RESUMO: Freud, apoiado em sua clínica, afirma o quanto é penoso para o homem viver em sociedade e como o uso da violência acaba sendo um modo de resolver este impasse. Propomos pensar esta questão a partir da passagem do narcisismo das pequenas diferenças que gera o preconceito desembocando na intolerância e segregação presentes no mundo contemporâneo. Para tanto, nos afastamos tanto da ideia de que traços e características inerentes ao psiquismo seriam responsáveis por determinadas ações, quanto da pretensão de situar no social a culpa por este estado de coisas.


ABSTRACT: Freud, based on his clinical work, affirms how arduous it is for mankind to live in society and how the use of violence ends up to be a way of solving this impasse. We propose to think this issue by starting from the narcissism of minor differences that generates the prejudice leading to intolerance and segregation present in the contemporary world. To do so, we move away from both the idea that traces and characteristics inherent in the psyche would be responsible for certain actions, as well as the claim to place the blame for this state of affairs in the social.


Assuntos
Humanos , Psicanálise , Racismo , Narcisismo
16.
Hist Philos Life Sci ; 41(4): 51, 2019 Oct 30.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31667637

RESUMO

This paper investigates continuities and changes in the definition of sickle cell disease in 1950s Brazil, taking into account that diseases have a history and are recognized as such according to the knowledge and perceptions available in a certain historical period and specific location. In the post-war era, new diagnostic tools, inheritance theories and, in particular, discussions on the concepts of race and racial relations, both nationally and internationally, were changing previous racialist and racist views. Nonetheless, the Brazilian medical interpretations of sickle cell disease continued to racialize it and even use deep-rooted racist formulations to explain its symptoms or the existence of the disease. It is argued that the celebration of racial mixture and racial democracy might have concealed racist presumptions biasing the study of sickle cell disease. Although race as a biological concept gradually gave way to other genetic expressions, in Brazilian medical papers on sickle cell disease, race continued to influence the interpretation of the disease, along with the persistence of concepts of heredity through blood mixture.


Assuntos
Anemia Falciforme/história , Relações Raciais/história , Anemia Falciforme/diagnóstico , Anemia Falciforme/etiologia , Brasil , História do Século XX , Humanos , Racismo/história
17.
Health Serv Res ; 54 Suppl 2: 1409-1418, 2019 12.
Artigo em Inglês | MEDLINE | ID: mdl-31667831

RESUMO

OBJECTIVE: To examine experiences of racial/ethnic discrimination among Latinos in the United States, which broadly contribute to their poor health outcomes. DATA SOURCE AND STUDY DESIGN: Data come from a nationally representative, probability-based telephone survey including 803 Latinos and a comparison group of 902 non-Hispanic white US adults, conducted January-April 2017. METHODS: We calculated the percent of Latinos reporting discrimination in several domains, including health care. We used logistic regression to compare the Latino-white difference in odds of discrimination, and among Latinos only to examine variation by socioeconomic status and country of birth. PRINCIPAL FINDINGS: One in five Latinos (20 percent) reported experiencing discrimination in clinical encounters, while 17 percent avoided seeking health care for themselves or family members due to anticipated discrimination. A notable share of Latinos also reported experiencing discrimination with employment (33 percent applying for jobs; 32 percent obtaining equal pay/promotions), housing (31 percent), and police interactions (27 percent). In adjusted models, Latinos had significantly higher odds than whites for reporting discrimination in health care visits (OR: 3.18, 95% CI: 1.61, 6.26) and across several other domains. Latinos with college degrees had significantly higher odds of reporting discrimination in multiple domains than those without college degrees, with few differences between foreign-born and US-born Latinos. CONCLUSIONS: Latinos in the United States report experiencing widespread discrimination in health care and other areas of their lives, at significantly higher levels than whites. Being born in the United States and earning a college degree are not protective against discrimination, suggesting that further health and social policy efforts to eliminate discrimination are needed.


Assuntos
Disparidades em Assistência à Saúde/etnologia , Hispano-Americanos/estatística & dados numéricos , Racismo/estatística & dados numéricos , Determinantes Sociais da Saúde/etnologia , Fatores Socioeconômicos , Adolescente , Adulto , Idoso , Grupo com Ancestrais do Continente Europeu/estatística & dados numéricos , Feminino , Hispano-Americanos/psicologia , Humanos , Masculino , Pessoa de Meia-Idade , Aceitação pelo Paciente de Cuidados de Saúde , Racismo/psicologia , Inquéritos e Questionários , Telefone , Estados Unidos
20.
Psicol. ciênc. prof ; 39(2,n.esp): 141-152, ago.-nov. 2019.
Artigo em Português | LILACS, Index Psicologia - Periódicos técnico-científicos | ID: biblio-1025950

RESUMO

Partimos da reflexão acerca das políticas públicas de Assistência Social e como as interfaces raça, racismo e branquitude emergem na produção de conhecimento. Inspiradas na ideia de pluriversalidade questionamos o universo conceitual branco, trazendo como reflexão as produções em Psicologia que se centram em um ideário eurocêntrico, masculinista e heterocentrado. Apresentamos uma discussão sobre o tema da raça e racismo, pensando como estes se articulam tanto na constituição e implementação das políticas públicas, quanto na sua precarização. Para finalizar, afirmamos a necessidade de descolonizar a produção em Psicologia Social, colocar a branquitude em jogo, dissolver a ideia de sujeito universal e assumir a necessidade de pensarmos e publicarmos a partir de uma perspectiva polirracional. Acreditamos que as políticas de produção de saberes e fazeres em Psicologia devem estar atentas à geopolítica do conhecimento, dialogando com diversidades epistêmicas espalhadas em distintas regiões do planeta, sobretudo aquelas do Sul Global....(AU)


This paper presents a reflection on public policies for Social Assistance and the way that interfaces such as race, racism and whiteness have appeared in knowledge production. Inspired by the idea of pluriversality, we have questioned the white conceptual universe by bringing reflections on psychology productions focused on a Eurocentric, masculinist, and heterocentered ideology. We present a discussion on race and racism, thinking about the way they have been articulated in the constitution and implementation of public policies as well as in their precariousness. Finally, we state the need to decolonize the production in Social Psychology, in order to bring whiteness into play, dissolve the idea of universal subject, and admit our need to think and publish from a multi-rational perspective. We believe that policies for the production of knowledges and actions in psychology should be attentive to the geopolitics of knowledge, in a dialogue with epistemic diversities spread in different regions over the world, particularly in the Global South....(AU)


Se parte de la reflexión sobre las políticas públicas de Bienestar Social e interfaces como la raza, el racismo y la blanquitud surgen en la producción de conocimiento. Inspirados en la idea de la pluriversidad, cuestionamos el universo conceptual blanco, trayendo como reflejo las producciones en psicología que se centran en una idea eurocéntrica, masculinista y heterocéntrica. Presentamos una discusión sobre el tema de la raza y el racismo, pensando cómo se articulan tanto en la constitución y la implementación de las políticas públicas, como en su precariedad.Finalmente, afirmamos la necesidad de descolonizar la producción en Psicología Social, poner en juego la blanquitud, disolver la idea del tema universal y asumir la necesidad de pensar y publicar desde una perspectiva múltiplemente racional. Creemos que la política de producción de conocimiento y las actividades en psicología deben estar atentas a la geopolítica del conocimiento, dialogando con diversidades epistémicas diseminadas en diferentes regiones del planeta, especialmente en las del Sur Global....(AU)


Assuntos
Humanos , Psicologia Social , Política Pública , Serviço Social , Racismo , Psicologia , Relações Raciais
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA