Your browser doesn't support javascript.
loading
Mostrar: 20 | 50 | 100
Resultados 1 - 20 de 647
Filtrar
1.
Washington, D.C.; OPS; 2024.
em Espanhol | PAHO-IRIS | ID: phr-59239

RESUMO

Esta sistematización se centra en las experiencias de implementación y seguimiento del Programa Hospital Seguro (PHS) en México y es fruto de la cooperación de la Organización Panamericana de la Salud (OPS) y las autoridades a cargo del PHS en el país en respuesta al tercer objetivo del programa de hospitales seguros de la OPS: sistematizar y dar seguimiento a la implementación de las políticas y regulaciones nacionales e internacionales sobre hospitales seguros. La sistematización gira en torno a tres ejes de análisis, a saber, la gerencia y organización del PHS, las intervenciones del programa y la respuesta de los establecimientos de salud. Asimismo, se plasman las áreas de oportunidad y los retos futuros para el programa, con el fin de contribuir a mejorar su implementación y seguimiento. Las experiencias analizadas reflejan la exitosa labor del PHS en México y tienen por objetivo servir de inspiración para llevar a cabo experiencias similares en la Región de las Américas.


Assuntos
Comportamento de Redução do Risco , Redução de Riscos de Desastres , Gestão de Riscos , Gestão de Desastres , Emergências em Desastres , América , México
3.
Rev. esp. salud pública ; 96: e202210071-e202210071, Oct. 2022.
Artigo em Espanhol | IBECS | ID: ibc-211607

RESUMO

La experiencia de la pandemia de la COVID-19 y el horizonte de expectativas en relación con el cambio climático nos recuerdan quees una responsabilidad colectiva anticiparnos en la medida de nuestras posibilidades y conocimientos a los riesgos atendibles de losdesastres previsibles y a sus posibles impactos sobre las comunidades vulnerables. En el artículo se examinará el sentido y el estatutode los deberes éticos acerca de la preparación ante los desastres, para lo cual se adoptará un enfoque de ética de desastres que sebasa en la interrelación de la bioética con la ética de la Salud Pública y que contempla el ciclo completo de la gestión de los desastresy el correspondiente ciclo de protección de las víctimas y profesionales. Después de comentar varias controversias normativas queacompañan a conocidas clasificaciones de los desastres y caracterizar el giro ético hacia la preparación en la gestión de desastres,en el artículo se sostendrá que los deberes de preparación incluyen obligaciones relativas a la planificación, la anticipación y la pre-vención de desastres, así como que son deberes derivados y positivos que implican un entramado de responsabilidades prospectivas,compartidas e institucionalmente mediadas.(AU)


The experience of the COVID-19 pandemic and the horizon of expectations in relation to climate change reminds us that it is acollective responsibility to anticipate to the best of our ability and knowledge the risks of foreseeable disasters and their potentialimpacts on vulnerable communities. The article will examine the meaning and status of moral duties regarding disaster preparednessby adopting a disaster ethics approach which draws on the interrelationship of bioethics with public health ethics and looks at thefull cycle of disaster management and the corresponding cycle of protection of victims and professionals. After discussing somenormative controversies accompanying well-known classifications of disasters and characterizing the ethical turn to preparedness indisaster management, it will be argued that preparedness duties include obligations relating to planning, anticipation, and preventionof disasters and that they are derivative and positive duties involving a series of prospective, shared and institutionally mediatedresponsibilities.(AU)


Assuntos
Humanos , Desastres , Pandemias , Grupos de Risco , Defesa Civil , Preparação em Desastres , Gestão de Desastres , Bioética , Saúde Pública , Espanha
4.
Rev. esp. salud pública ; 96: e202210058-e202210058, Oct. 2022.
Artigo em Espanhol | IBECS | ID: ibc-211613

RESUMO

La pandemia de la COVID-19 ha recordado la importancia de prevenir y planificarse ante eventos altamente desastrosos para lasalud comunitaria. Varios fenómenos emergentes suponen amenazas prospectivas para la Salud Pública. Sin embargo, el caráctermayormente futuro de problemas como la resistencia antibiótica, el impacto del cambio climático en la salud o la bioingeniería depatógenos genera dificultades de análisis. ¿Cuáles son los desafíos éticos y epistemológicos que suscitan los problemas futurospara la Salud Pública? ¿Cómo deben abordarse los problemas morales de escenarios futuros, potencialmente catastróficos? Eneste artículo se defiende la necesidad de adoptar enfoques éticos anticipativos desde la ética de la Salud Pública. En primer lugar,se argumentará que el abordaje de estos problemas futuros requiere reflexionar sobre el futuro como problema ético y epistémico.En segundo lugar, se analizarán las características de la incipienteética anticipatoria en los ámbitos de la ética de la tecnología y labioética. En tercer lugar, se defenderá la aplicación de metodologías de previsión y anticipación en debates sobre la ética de la SaludPública. Finalmente, se ofrecerán algunas reflexiones para fortalecer los análisis normativos anticipativos a fin de prevenir y atajar deantemano los efectos adversos de las futuras crisis sanitarias.(AU)


The COVID-19 pandemic has recalled the importance of prevention and preparedness for highly disastrous events in communityhealth. Several emerging phenomena pose prospective threats to public health. However, the largely future-oriented character ofproblems, for instance, such as antibiotic resistance, the impact of climate change on health, or the bioengineering of pathogensgenerates difficulties of analysis. What are the ethical and epistemological challenges raised by future public health problems? Howshould the moral problems of potentially catastrophic future scenarios be addressed? This article argues in favour of adopting antici-patory ethical approaches from public health ethics. First, it will be argued that addressing these future problems requires reflectionon the future as an ethical and epistemic problem. Second, the characteristics of the emerginganticipatory ethics in the fields ofethics of technology and bioethics will be clarified. Third, the application of foresight and anticipatory methodologies in public healthethics debates will be defended. Finally, some reflections will be offered to strengthen anticipatory normative analyses to prevent andaddress in advance the adverse effects of future health crises.(AU)


Assuntos
Humanos , Pandemias , Gestão de Desastres , Planejamento em Desastres , Previdência Social , Previsões Demográficas , Coronavírus Relacionado à Síndrome Respiratória Aguda Grave , Saúde Pública , Saúde Global , Ética , Espanha
5.
Washington, D.C.; OPS; 2022-06-28.
em Espanhol | PAHO-IRIS | ID: phr-56124

RESUMO

Los riesgos para la salud pública relacionados con emergencias y desastres derivan de la interacción de amenazas biológicas, tecnológicas, sociales o naturales con las comunidades. Si estos riesgos no se manejan con eficacia, pueden tener importantes consecuencias a corto y a largo plazo en los planos individual, comunitario, municipal, nacional y mundial. La Herramienta Estratégica para la Evaluación de Riesgos (STAR) ofrece un conjunto integral de herramientas fáciles de usar y un método para que los gobiernos nacionales y subnacionales puedan hacer rápidamente una evaluación estratégica de los riesgos para la salud pública, basada en la evidencia, a fin de planificar y priorizar las actividades de preparación para emergencias de salud y gestión del riesgo de desastres.


Assuntos
Emergências , Medição de Risco , Gestão de Desastres , Emergências em Desastres , Defesa Civil
6.
Artigo em Espanhol | PAHO-IRIS | ID: phr-55887

RESUMO

[RESUMEN]. Objetivo. Evaluar el impacto de las intervenciones introducidas en Costa Rica durante 2020 y 2021 para el control de la pandemia por COVID-19. Método. Se empleó un modelo bayesiano de regresión de Poisson que incorporó las medidas de control o intervención como variables independientes sobre la modificación de la cantidad de casos por semana epidemiológica. Resultados. Los resultados evidenciaron el efecto relativo y conjunto que han tenido las políticas o medidas de contención en la reducción de casos, principalmente la restricción vehicular, el uso de mascarillas y la puesta en práctica de los lineamientos y protocolos sanitarios. Las evidencias de los efectos se optimizaron y se pusieron a disposición para la toma de decisiones de las autoridades sanitarias y de emergencia del país. Se generaron varias iteraciones para el monitoreo constante de la variación en los efectos en cuatro momentos distintos del avance de la pandemia. Conclusión. La aplicación simultánea de distintas medidas de mitigación en Costa Rica ha sido un agente promotor de la disminución de casos de COVID-19.


[ABSTRACT]. Objective. Assess the impact of interventions introduced in Costa Rica during 2020 and 2021 to control the COVID-19 pandemic. Methods. A Bayesian Poisson regression model was used, incorporating control or intervention measures as independent variables in the changes in reported case numbers per epidemiological week. Results. The results showed the relative and combined impact of containment policies and measures on the reduction of cases: mainly vehicular traffic restrictions, use of masks, and implementation of health guidelines and protocols. Evidence of impact was optimized and made available for decision-making by the country’s health and emergency authorities. Several iterations were generated for constant monitoring of variations in impact at four different moments in the pandemic’s spread. Conclusion. The simultaneous implementation of different mitigation measures in Costa Rica has been a driving force in reducing the number of COVID-19 cases.


[RESUMO]. Objetivo. Avaliar o impacto das intervenções realizadas na Costa Rica durante 2020 e 2021 para o controle da pandemia de COVID-19. Método. Foi utilizado um modelo Bayesiano de regressão de Poisson que incorporou as medidas de controle ou intervenção como variáveis independentes sobre a variação do número de casos por semana epidemiológica. Resultados. Os resultados evidenciaram o efeito relativo e conjunto que as políticas ou medidas de contenção tiveram na redução de casos, principalmente as restrições a veículos, o uso de máscaras e a implementação de diretrizes e protocolos de saúde. As evidências dos efeitos foram otimizadas e disponibilizadas às autoridades sanitárias e de emergência do país para auxiliar na tomada de decisão. Diversas iterações foram geradas para o monitoramento constante da variação nos efeitos em quatro momentos distintos do avanço da pandemia. Conclusão. A aplicação simultânea de diferentes medidas de mitigação na Costa Rica tem sido um agente promotor da diminuição de casos de COVID-19.


Assuntos
Administração Sanitária , Monitoramento Epidemiológico , Controle de Doenças Transmissíveis , Gestão de Desastres , Pandemias , COVID-19 , Costa Rica , Administração Sanitária , Monitoramento Epidemiológico , Controle de Doenças Transmissíveis , Gestão de Desastres , Pandemias , Administração Sanitária , Monitoramento Epidemiológico , Controle de Doenças Transmissíveis , Gestão de Desastres
7.
In. Alvarez Sintes, Roberto. Medicina general integral. Tomo I. Salud y medicina. Vol. 3. Cuarta edición. La Habana, Editorial Ciencias Médicas, 4 ed; 2022. .
Monografia em Espanhol | CUMED | ID: cum-78729
8.
In. Suárez Tamayo, Susana; Puerto Rodríguez, Asela del; Borroto Gutiérrez, Susana Marta. El cambio climático y la salud en Cuba. La Habana, Editorial Ciencias Médicas, 2022. , ilus, tab.
Monografia em Espanhol | CUMED | ID: cum-78563
10.
Washington, D.C.; OPS; 2021-04-23. (OPS/IMS/HSS/COVID-19/20-0025).
Não convencional em Francês | PAHO-IRIS | ID: phr-53792

RESUMO

Le présent document énonce des considérations relatives au port prolongé, à la réutilisation et au retraitement des masques de protection respiratoire N95 et équivalents par les services de santé en période de pénurie concernant ce type d’équipement de protection individuelle (EPI) ; résume les données disponibles sur les méthodes actuelles de retraitement des masques de protection respiratoire N95 et de leurs équivalents ; et s'adresse aux responsables d'établissements de santé ainsi qu'aux autorités sanitaires et autres acteurs participant à la prise de décisions concernant l'utilisation et l’utilisation prioritaire de l’EPI. Ces recommandations sont préliminaires et feront l'objet d'une révision à mesure que de nouvelles données factuelles seront disponibles.


Assuntos
COVID-19 , Coronavirus , Infecções por Coronavirus , Mecânica Respiratória , Máscaras Faciais , Acesso a Medicamentos Essenciais e Tecnologias em Saúde , Betacoronavirus , Equipamento de Proteção Individual , Máscaras , Gestão de Desastres
11.
Washington, D.C.; OPAS; 2021-03-09. (OPAS-W/FPL/IM/21-0007).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr-53357

RESUMO

O Programa de Atenção Integrada para a Pessoa Idosa (ICOPE) foi desenvolvido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para atender às necessidades e demandas de saúde das populações idosas em todo o mundo. Em 2050, a proporção da população global com 60 anos ou mais quase dobrará. Nas Américas, a expectativa de vida aumentou 21,6 anos nas últimas seis décadas. No entanto, viver mais frequentemente significa enfrentar problemas de saúde acumulados durante a velhice. A transição demográfica afetará quase todos os aspectos da sociedade e criará novos e complexos desafios para os sistemas de saúde e assistência social. Portanto, é necessária uma abordagem transformadora na maneira como os sistemas de saúde e os serviços dentro deles são estruturados - para garantir cuidados de alta qualidade que sejam integrados, acessíveis e com foco nas necessidades e direitos das pessoas idosas. A atenção integrada, especialmente para as pessoas idosas e com condições crônicas de saúde, é amplamente aceita como um mecanismo para melhorar os resultados de saúde e a eficiência do sistema. O Manual ICOPE fornece orientações detalhadas para ajudar os profissionais de saúde e cuidadores da comunidade a colocar em prática a atenção integrada para a pessoa idosa, através do desenvolvimento de um plano de cuidados. Dessa forma, o manual auxilia na definição de metas centradas na pessoa e na integração de abordagens nos diferentes níveis de atenção. O plano de cuidados pode incluir várias intervenções para gerenciar declínios na capacidade intrínseca, fornecer assistência e apoio social, desenvolver capacidade para o automanejo e apoiar os cuidadores. A brochura ICOPE apresenta os destaques da abordagem ICOPE para facilitar a sua divulgação e favorecer uma ampla apresentação do método.


Assuntos
Idoso , Envelhecimento , Disciplinas das Ciências Biológicas , Dinâmica Populacional , Envelhecimento Saudável , Saúde do Idoso , Pessoal de Saúde , Serviços de Saúde para Idosos , Fenômenos Fisiológicos da Nutrição do Idoso , Cognição , Disfunção Cognitiva , Orientação , Psicoterapia , Remediação Cognitiva , Terapia Cognitivo-Comportamental , Testes de Estado Mental e Demência , Geriatria , Incontinência Urinária , Sensação , Suplementos Nutricionais , Acidentes por Quedas , Gestão de Desastres , Prevenção de Acidentes
12.
Brasília, D.F.; OPAS; 2021-01-04. (OPAS-W/BRA/PHE/COVID-19/20-175).
Não convencional em Português | PAHO-IRIS | ID: phr2-53178

RESUMO

Este documento é uma orientação detalhada sobre como implementar medidas de mitigação de risco para a retomada gradual das viagens internacionais no contexto da COVID-19. Ele prevê uma abordagem de avaliação de risco que se utiliza de métodos mistos que incluem dados quantitativos e qualitativos. Essa metodologia de avaliação de risco é a mais útil para países de destino nos quais há transmissão comunitária, e a principal preocupação é não sobrecarregar a capacidade do sistema de saúde, a eliminação da transmissão ficando em segundo plano. Esta ferramenta deve ser lida juntamente com os documentos de orientação provisória da OMS “Considerations for implementing a risk-based approach to international travel in the context of COVID-19” [Considerações para a implementação de uma abordagem baseada em riscos para viagens internacionais no contexto da COVID-19] e “Considerations for implementing and adjusting public health and social measures in the context of COVID-19” [Considerações para o ajuste de medidas sociais e de saúde pública no contexto da COVID -19. Ressalta-se que esta ferramenta está sujeita a exercícios-piloto, que podem resultar em sua atualização e aperfeiçoamento. Esta ferramenta poderá ser ajustada conforme a experiência do usuário.


Assuntos
COVID-19 , Coronavirus , Infecções por Coronavirus , Doenças Transmissíveis , Fatores de Risco , Gestão de Desastres
13.
Brasília, D.F.; OPAS; 2020-12-14. (OPAS-W/BRA/PHE/COVID-19/20-169).
Não convencional em Português | PAHO-IRIS | ID: phr2-53142

RESUMO

Este documento fornece orientações para prevenção, vigilância e testagem de COVID-19 em profissionais de saúde, incluindo o manejo após exposição e retorno seguro ao trabalho dos profissionais de saúde que tiverem infecção suspeita ou confirmada por SARS-CoV-2. No banco de dados de vigilância da OMS, o termo profissional de saúde inclui médicos, enfermeiros, profissionais de saúde associados (equipe de radiografia, laboratório, fisioterapeutas etc.) e pessoal administrativo e de apoio, como funcionários de limpeza e lavanderia, equipes de admissão/recepção, transporte de pacientes e refeitório. A prevenção da infecção no local de trabalho requer uma abordagem multifacetada e integrada que inclui medidas de PCI e de saúde e segurança do trabalho (SST), além da adesão às medidas sociais e de saúde pública da comunidade. A vigilância sindrômica é um processo frequentemente usado por sistemas de vigilância de saúde pública para a detecção precoce de surtos e se concentra na identificação precoce de sintomas. Desde o início da pandemia da COVID-19, os laboratórios têm usado testes de amplificação de ácido nucleico (NAATs), tais como ensaios de reação em cadeia da polimerase de transcrição reversa em tempo real (rRT-PCR), para detectar SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19. Os testes de detecção de antígenos (Ag-RDTs) estão agora entrando no arsenal de ferramentas que podem desempenhar um papel significativo na orientação do manejo do paciente,na tomada de decisões em saúde pública e na vigilância daCOVID-19.


Assuntos
COVID-19 , Pessoal de Saúde , Coronavirus , Infecções por Coronavirus , Fatores de Risco , Hospitais , Gestão de Desastres , Pandemias
14.
Brasília, D.F.; OPAS; 2020-12-10. (OPAS-W/BRA/PHE/COVID-19/20-170).
Não convencional em Português | PAHO-IRIS | ID: phr2-53132

RESUMO

A OMS publicou orientações sobre o ajuste de medidas sociais e de saúde pública para a próxima fase da resposta de combate à COVID-19. Alguns governos sugeriram que a detecção de anticorpos para o SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19, poderia servir como base para um “passaporte de imunidade” ou “certificado livre de risco”, que permitiria aos indivíduos viajar ou voltar ao trabalho presumindo que estejam protegidos contra a reinfecção. Atualmente, não há evidências de que as pessoas que se recuperaram da COVID-19 e possuem anticorpos estejam protegidas contra uma segunda infecção. O desenvolvimento de imunidade a um patógeno por meio de infecção natural é um processo de várias etapas que normalmente ocorre em um período de 1 a 2 semanas. O corpo responde a uma infecção viral imediatamente com uma resposta inata não específica, em que macrófagos, neutrófilos e células dendríticas retardam o progresso do vírus, e podem até mesmo impedir que ele cause sintomas. Essa resposta não específica é seguida por uma resposta adaptativa, na qual o corpo produz anticorpos que se ligam especificamente ao vírus. Esses anticorpos são proteínas chamadas imunoglobulinas. O corpo também produz células T, que reconhecem e eliminam outras células infectadas com o vírus. É a chamada imunidade celular. Essa combinação de respostas adaptativas podem eliminar o vírus do corpo e, se a resposta for forte o suficiente, pode prevenir a progressão para doença grave ou reinfecção pelo mesmo vírus. Esse processo geralmente é medido pela presença de anticorpos no sangue. A OMS continua a revisar as evidências sobre as respostas dos anticorpos à infecção por SARS-CoV-2.2-17. A maioria desses estudos mostra que as pessoas que se recuperaram da infecção apresentam anticorpos contra o vírus. No entanto, algumas dessas pessoas possuem níveis muito baixos de anticorpos neutralizantes no sangue, sugerindo que a imunidade celular também pode ser fundamental para a recuperação. Até 24 de abril de 2020, nenhum estudo avaliou se a presença de anticorpos contra SARS-CoV-2 confere imunidade à reinfecção por esse vírus em humanos.


Assuntos
COVID-19 , Coronavirus , Infecções por Coronavirus , Sistemas de Saúde , Betacoronavirus , Imunidade , Fatores de Risco , Doenças Transmissíveis , Gestão de Desastres
15.
Brasília, D.F.; OPAS; 2020-12-09. (OPAS-W/BRA/PHE/COVID-19/20-165).
Não convencional em Português | PAHO-IRIS | ID: phr2-53130

RESUMO

O conteúdo desta ferramenta de Avaliação de Risco foi atualizado para refletir as novas orientações da OMS e novas evidências sobre a COVID-19 e os eventos com aglomeração de pessoas, bem como as devolutivas dos usuários finais. Melhorias adicionais foram feitas na forma como as informações são organizadas e apresentadas: agora a Árvore de Decisão está integrada à ferramenta e uma nova aba dedicada à Comunicação de Risco foi adicionada. A ferramenta expandida agora inclui seis abas: 1. Instruções; 2. Árvore de Decisão; 3. Avaliação de Risco; 4. Mitigação de Risco; 5. Matriz de Decisão; 6. Comunicação de Risco. A versão 1 foi publicada em 16 de abril de 2020, sob o título: “Como utilizar o adendo de eventos religiosos da ferramenta de avaliação de risco da OMS no contexto de COVID-19”. O planejamento rotineiro de eventos com aglomeração de pessoas inclui a realização de avaliações de risco para determinar o risco geral de propagação da doença ligado a um evento com aglomeração de pessoas. Em virtude do surto atual de COVID-19, a Organização Mundial da Saúde (OMS) desenvolveu esta ferramenta de avaliação de risco para eventos religiosos. A avaliação inclui uma avaliação de risco, mitigação de risco e estratégia de comunicação de risco desenvolvida para uso por países-sede e organizadores de eventos com aglomeração de pessoas para avaliar o risco específico de COVID-19.


Assuntos
COVID-19 , Coronavirus , Infecções por Coronavirus , Aglomeração , Gestão de Desastres
16.
Washington, D.C.; OPS; 2020-10-22. (OPS/CDE/VT/20-0038).
em Espanhol | PAHO-IRIS | ID: phr-52918

RESUMO

La enfermedad de Chagas o tripanosomiasis americana es una parasitosis sistémica cuya transmisión vectorial se limita a la Región de las Américas. Sin embargo, puede llegar a convertirse en un problema de salud de alcance global a través de sus modalidades de transmisión transfusional y congénita, que se asocian a las migraciones de la población de áreas endémicas de riesgo. Los países endémicos han puesto en marcha numerosas medidas para reducir la prevalencia, la morbilidad, la mortalidad y el riesgo mediante las Iniciativas Subregionales de Prevención, Control y Atención de la Enfermedad de Chagas, con la colaboración de la Secretaría Técnica de la OPS. Sin embargo, aún queda mucho por abordar y por hacer.


Assuntos
Doença de Chagas , Gestão de Desastres , Zoonoses , Doenças Transmissíveis
17.
Brasília, D.F.; OPAS; 2020-10-22. (OPAS-W/BRA/PHE/COVID-19/20-132).
Não convencional em Português | PAHO-IRIS | ID: phr2-52914

RESUMO

Esta orientação provisória destina-se àqueles que manipulam corpos de pessoas que faleceram com suspeita ou confirmação de doença causada pelo coronavírus 2019 (COVID-19). Usuários em potencial incluem administradores de instituições de saúde e necrotérios, assim como líderes religiosos e autoridades de saúde pública. Este documento também apresenta orientações para manejo de cadáveres no contexto da COVID-19 em locais de renda baixa, média e alta. Esta orientação está sujeita à revisão conforme novas evidências forem disponibilizadas. Consulte o site da OMS para obter informações atualizadas sobre o vírus e orientações técnicas.


Assuntos
COVID-19 , Gestão de Desastres , Controle de Infecções , Morte , Epidemias , Pandemias
18.
Brasília, D.F.; OPAS; 2020-07-09. (OPAS-W/BRA/COVID-19/20-089).
Não convencional em Português | PAHO-IRIS | ID: phr2-52472

RESUMO

Este documento é uma atualização do resumo científico publicado em 29 de março de 2020 intitulado “Modes of transmission of virus causing COVID-19: implications for infection prevention and control (IPC) precaution recommendations” [Modos de transmissão do vírus que causa a COVID-19: implicações para as recomendações de precaução para a prevenção e controle de infecções (PCI)] e inclui novas evidências científicas disponíveis sobre a transmissão do SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19. Este resumo científico apresenta uma visão geral dos modos de transmissão do SARS-CoV-2, o que se sabe sobre quando as pessoas infectadas transmitem o vírus e as implicações para as precauções de prevenção e controle de infecções dentro e fora das unidades de saúde. O presente resumo científico não é uma revisão sistemática, ele reflete a consolidação de revisões rápidas de publicações em periódicos com revisão por pares e artigos sem revisão por pares em servidores de preprint, realizadas pela OMS e parceiros. Os achados de preprints devem ser interpretados com cautela na ausência de uma revisão por pares. Além disso, este resumo considera diversas discussões via teleconferência com o Painel Consultivo ad hoc de Especialistas do Programa de Emergências em Saúde da OMS para Preparação, Prontidão e Resposta em PCI à COVID-19, com o Grupo ad hoc de Elaboração de Orientações de PCI para COVID-19 (COVID-19 IPC GDG), e também a revisão de especialistas externos com experiência técnica relevante. O objetivo geral do Plano Estratégico de Preparação e Resposta para a COVID-19 (1) é controlar a COVID-19 suprimindo a transmissão do vírus e prevenindo a doença e a mortalidade associada. As evidências atuais sugerem que o SARS-CoV-2, o vírus que causa a COVID-19, é disseminado predominantemente de pessoa a pessoa. O entendimento de como, quando e em que tipo de ambientes o SARS-CoV-2 se dissemina é fundamental para a elaboração de medidas efetivas de saúde pública e de prevenção e controle de infecções para romper as cadeias de transmissão.


Assuntos
COVID-19 , Betacoronavirus , Infecções por Coronavirus , Coronavirus , Epidemias , Pandemias , SARS-CoV-2 , Gestão de Desastres
19.
Brasília, D.F.; OPAS; 2020-05. (OPAS-W/BRA/COVID-19/20-074).
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr2-52393

RESUMO

[Visão geral]. A pandemia da COVID-19 está desafiando os sistemas de saúde em todo o mundo. O rápido aumento da demanda por atendimento às pessoas com COVID-19 é agravado pelo medo, desinformação, restrições de circulação das pessoas e a limitação de suprimentos que prejudicam o atendimento de saúde de primeira linha, para todas as pessoas. Quando os sistemas de saúde estão sobrecarregados e as pessoas falham em acessar serviços necessários, aumenta a mortalidade direta e indireta por causas evitáveis e condições tratáveis (1-3). Os tomadores de decisão precisam fazer escolhas difíceis para garantir que a COVID-19 e outros problemas urgentes, e contínuos, de saúde pública sejam abordados, minimizando os riscos para os profissionais de saúde e comunidades. Conforme estabelecido na Conferência Mundial de Astana sobre Atenção Primária à Saúde de 2018, o nível comunitário é uma plataforma integral para a atenção primária à saúde, essencial para a prestação de serviços e funções essenciais de saúde pública e para o envolvimento e a capacitação das comunidades em relação à sua saúde. Esta plataforma comunitária, com suas capacidades distintas para prestação de serviços de saúde e engajamento social, tem um papel fundamental a desempenhar na resposta à COVID-19, sendo essencial para o atendimento das contínuas necessidades de saúde das pessoas, especialmente as mais vulneráveis. Os métodos de prestação de serviços existentes precisarão ser adaptados à medida que for alterada a análise de risco-benefício de qualquer atividade no contexto de uma pandemia. Certas atividades podem ser antecipadas nas áreas onde a transmissão da COVID-19 ainda não começou, ou modificadas, nas áreas onde houver um método alternativo de prestação de serviços que seja seguro, ou temporariamente suspensas, nas áreas onde o risco de transmissão da COVID-19 for elevado. Onde apropriado, as atividades presenciais devem ser limitadas pelo uso de mecanismos alternativos de prestação de serviços, como aplicativos de telefonia móvel, telemedicina e outras plataformas digitais. As adaptações específicas dependerão do contexto, incluindo o impacto geral da doença na região, o cenário de transmissão da COVID-19 e a capacidade local de fornecer serviços com segurança e eficácia.


Assuntos
COVID-19 , Sistemas de Saúde , Pandemias , Coronavirus , Saúde Materna , HIV , Tuberculose , Malária , Gestão de Desastres
20.
Brasília, D.F.; OPAS; 2020-04-28.
em Português | PAHO-IRIS | ID: phr2-52044

RESUMO

[Sumário]: Pandemias de Influenza ocorrem em intervalos imprevisíveis e causam considerável morbimortalidade. O vírus da Influenza é rapidamente transmissível entre pessoas, principalmente durante contato próximo e é de difícil controle. Nos estágios iniciais de epidemias e pandemias de Influenza, pode haver demora na disponibilidade de vacinas específicas e oferta limitada de drogas antivirais. Intervenções não farmacológicas (INFs) são o único grupo de medidas de combate, prontamente, disponíveis em todos os momentos e em todos os países. Os impactos potenciais das INFs em uma epidemia ou pandemia de Influenza são retardar a introdução do vírus da pandemia na população; retardar a altura e pico da epidemia, caso ela já tenha começado; reduzir a transmissão através de medidas de proteção pessoal ou ambiental; reduzir o número total de infecções e, portanto, o número total de casos graves. O presente documento fornece recomendações para o uso de INFs em futuras epidemias e pandemias de Influenza baseadas nos atuais documentos de orientação e na literatura científica recente. Recomendações específicas baseiam-se na revisão sistemática das evidências sobre a efetividade das INFs, inclusive medidas de proteção individual, medidas ambientais, medidas de distanciamento social e medidas relacionadas a viagens. As informações aqui fornecidas serão úteis para autoridades nacionais que estejam elaborando ou atualizando seus planos para mitigação do impacto de epidemias e pandemias de Influenza.


Assuntos
Pandemias , Vírus da Influenza A , Vírus da Influenza B , Intervenção na Crise , Epidemias , Gestão de Desastres
SELEÇÃO DE REFERÊNCIAS
DETALHE DA PESQUISA
...