Your browser doesn't support javascript.
Body Mass Index as a predictor of multimorbidity in the Brazilian population / Índice de Massa Corporal como preditor de multimorbidade na população brasileira
Rev. bras. cineantropom. desempenho hum ; 20(6): 555-565, Nov.-Dec. 2018. tab, graf
Artigo em Inglês | LILACS | ID: biblio-990550
Biblioteca responsável: BR17.1
ABSTRACT
Abstract Overweight is a health risk indicator, but little is known about its influence on the chronic non-communicable diseases (NCD) multimorbidity. The aim of this study was to identify the predictive values and sociodemographic factors associated with Body Mass Index (BMI) as a determinant of the occurrence of NCD multimorbidity in Brazilian men and women. Data from the "Surveillance of risk and protection factors for chronic diseases by telephone survey" -2013 national survey were used. The population was composed of ≥18 year-old individuals and those living in house with a fixed telephone line in the 27 Brazilian's capitals. The outcome variables were BMI and its respective predictive value for the occurrence of multimorbidity (≥2 NCDs). The exposure was age, marital status and educational level. Inferential statistics included the construction of Receiver Operating Characteristic curves (cutoff point defined by sensibility [Se] and specificity [Sp]) and the association by Poisson Regression, stratified by sex. The values with the best predictive capacity for multimorbidity were 26.7 kg/m2 (Se = 60.9%, Sp = 60.2%) for men and 25.7 kg/m2 (Se = 61.8%, Sp = 61.1%) for women. The predictive multimorbidity value followed the progress of age groups up to 55 to 64 years for both groups. Women with higher educational level showed an inverse association for the presence of the outcome. BMI can be considered a predictor of the occurrence of multimorbidity, and sociodemographic profile associated with this predictive value was advancement age and inversely associated with educational level in women.
RESUMO
Resumo O excesso de peso corporal é um indicador de risco para a saúde, porém pouco se sabe sobre sua influência diante da multimorbidade de doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). Objetivou-se identificar os valores preditivos e os fatores sociodemográficos associados ao Índice de Massa Corporal (IMC) como determinante da ocorrência de multimorbidade de DCNT em homens e mulheres brasileiros. Utilizaram-se dados do inquérito "Vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico" -2013. A população foi composta por indivíduos com ≥18 anos e residentes em domicílios com linha telefônica fixa nas 27 capitais brasileiras. As variáveis de desfecho foram o IMC e seu valor preditivo para a ocorrência de multimorbidade (≥2 DCNT). As exposições foram idade, estado civil e escolaridade. A estatística inferencial contou com a construção de curvas Receiver Operating Characteristic (ponto de corte definido pelo valor de sensibilidade [S] e especificidade [E) e a associação por meio da Regressão de Poisson, estratificadas por sexo. Os pontos de corte com melhor capacidade preditiva de multimorbidade de DCNT's foram de 26,7kg/m2 para homens (S=60,9%; E=60,2%) e 25,7kg/m2 para mulheres (S=61,8%; E=61,1%). O valor preditivo da multimorbidade acompanhou o avanço das faixas etárias até 55 a 64 anos para ambos os grupos. Mulheres mais escolarizadas apresentaram tendência de proteção para presença do desfecho. O IMC pode ser considerado preditor da multimorbidade, e o perfil sociodemográfico que esteve associado ao valor preditivo de multimorbidade foi o avanço da idade e inversamente associado a escolaridade em mulheres.
Assuntos

Similares

MEDLINE

...
LILACS

LIS

Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados internacionais Base de dados: LILACS Assunto principal: Índice de Massa Corporal / Multimorbidade Aspecto clínico: Diagnóstico / Etiologia / Predição Limite: Adulto / Idoso / Feminino / Humanos / Masculino País/Região como assunto: América do Sul / Brasil Idioma: Inglês Revista: Rev. bras. cineantropom. desempenho hum Assunto da revista: Educação Física / Medicina Esportiva / MEDICINA FISICA E REABILITACAO Ano de publicação: 2018 Tipo de documento: Artigo / Documento de projeto Instituição/País de afiliação: Federal University of Santa Catarina/BR