Your browser doesn't support javascript.
loading
Freqüência de hipertensão arterial e fatores associados: Brasil, 2006 / Frequency of arterial hypertension and associated factors: Brazil, 2006
Ferreira, Sandra Roberta Gouvea; Moura, Erly Catarina de; Malta, Deborah Carvalho; Sarno, Flávio.
Afiliação
  • Ferreira, Sandra Roberta Gouvea; Universidade de São Paulo. Faculdade de Saúde Pública. Departamento de Nutrição. São Paulo. Brasil
  • Moura, Erly Catarina de; USP. Núcleo de Pesquisas Epidemiológicas em Nutrição e Saúde. São Paulo. Brasil
  • Malta, Deborah Carvalho; Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação Geral de Doenças e Agravos Não-Transmissíveis. Brasília. Brasil
  • Sarno, Flávio; USP. Faculdade de Saúde Pública. São Paulo. Brasil
Rev. saúde pública ; 43(supl.2): 98-106, nov. 2009. tab
Artigo em Português | LILACS-Express | CidSaúde - Cidades saudáveis | ID: cid-61454
Biblioteca responsável: BR1.1
Localização: BR67.1
ABSTRACT

OBJETIVO:

Analisar a freqüência de hipertensão arterial sistêmica auto-referida e fatores associados.

MÉTODOS:

Estudo baseado em dados do sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL), coletados em 2006 nas capitais brasileiras e Distrito Federal. Estimou-se a freqüência de hipertensão arterial sistêmica entre 54.369 adultos, estratificada por sexo, região geográfica, variáveis sociodemográficas e comportamentais e morbidades auto-referidas. Foram calculadas os odds ratios brutos de hipertensão e ajustados para variáveis do estudo.

RESULTADOS:

A freqüência de hipertensão auto-referida foi de 21,6 por cento, maior entre mulheres (24,4 por cento versus 18,4 por cento), menor nas regiões Norte e Centro-Oeste e maior na Sudeste. A freqüência de hipertensão aumentou com a idade, diminuiu com a escolaridade, foi maior entre negros e viúvos e menor entre solteiros. A chance de hipertensão, ajustada para variáveis de confusão, foi maior para os indivíduos com excesso de peso, diabetes, dislipidemia e de eventos cardiovasculares.

CONCLUSÕES:

Cerca de um quinto da população referiu ser portadora de hipertensão arterial sistêmica. As altas freqüências de fatores de risco modificáveis indicam os segmentos populacionais alvos de intervenção, visando à prevenção e controle da hipertensão.(AU)
Assuntos
Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados temática Base de dados: CidSaúde - Cidades saudáveis Assunto principal: Doença Crônica / Sistema de Vigilância de Fator de Risco Comportamental / Hipertensão Tipo de estudo: Estudo observacional / Estudo de prevalência / Estudo de rastreamento Limite: Adulto / Feminino / Humanos / Masculino País/Região como assunto: América do Sul / Brasil Idioma: Português Revista: Rev. saúde pública Ano de publicação: 2009 Tipo de documento: Artigo Instituição/País de afiliação: Ministério da Saúde/Brasil / USP/Brasil / Universidade de São Paulo/Brasil
Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados temática Base de dados: CidSaúde - Cidades saudáveis Assunto principal: Doença Crônica / Sistema de Vigilância de Fator de Risco Comportamental / Hipertensão Tipo de estudo: Estudo observacional / Estudo de prevalência / Estudo de rastreamento Limite: Adulto / Feminino / Humanos / Masculino País/Região como assunto: América do Sul / Brasil Idioma: Português Revista: Rev. saúde pública Ano de publicação: 2009 Tipo de documento: Artigo Instituição/País de afiliação: Ministério da Saúde/Brasil / USP/Brasil / Universidade de São Paulo/Brasil
...