Your browser doesn't support javascript.
loading
Abordagem atual da doença inflamatória pélvica / Current approaches to pelvic inflammatory disease
Romanelli, Roberta Maia de Castro; Lima, Stella Soares Sala; Viotti, Luciana Vilela; Clemente, Wanessa Trindade; Aguiar, Regina Amélia Lopes Pessoa de; Silva Filho, Agnaldo Lopes.
Afiliação
  • Romanelli, Roberta Maia de Castro; Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Belo Horizonte. BR
  • Lima, Stella Soares Sala; Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Belo Horizonte. BR
  • Viotti, Luciana Vilela; s.af
  • Clemente, Wanessa Trindade; Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Departamento de Propedêutica Complementar. Belo Horizonte. BR
  • Aguiar, Regina Amélia Lopes Pessoa de; Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Departamento de Ginecologia e Obstetrícia. Belo Horizonte. BR
  • Silva Filho, Agnaldo Lopes; Universidade Federal de Minas Gerais. Faculdade de Medicina. Departamento de Ginecologia e Obstetrícia. Belo Horizonte. BR
Rev. méd. Minas Gerais ; 23(3)jul.-set. 2013.
Artigo em Português, Inglês | LILACS | ID: lil-702908
Biblioteca responsável: BR21.1
RESUMO
A doença inflamatória pélvica (DIP) é um processo inflamatório de natureza infecciosa que pode atingir estruturas e órgãos do trato genital superior. Devido à sua importância epidemiológica e de suas graves complicações, este artigo atualiza e propõe uma abordagem sistemática da DIP. Os principais agentes etiológicos são a Neisseria gonorrhoeae,Chlamydia trachomatis e outros agentes etiológicos de uretrites, cervicites, vulvovaginites e vaginoses, em geral, polimicrobiana, o que é a base de sua terapêutica. A mulher deve ser investigada para DIP quando apresenta, especialmente, desconforto abdominal, dor lombar, dispareunia e nódoas ou manchas ao exame ginecológico, previamente a procedimentos transcervicais. A classificação clínico-laparoscópica deDIP pode ser dividida em a) estágio I (endometrite/salpingite sem peritonite); estágio II (salpingite aguda com peritonite); estágio III (salpingite aguda com oclusão tubária ou abscesso tubo-ovariano); estágio IV (abscesso tubo-ovariano roto). A definição do estágio orienta a conduta e o tratamento, pois em formas leves (estágio I) o tratamento e seguimento podem ser feitos ambulatorialmente, enquanto para os casos moderadosou graves a internação hospitalar está indicada para início do tratamento por via endovenosa e monitorização da resposta ao tratamento. O tratamento suportivo, retirada de dispositivo intrauterino (DIU), abstinência sexual e repouso também são indicados, além de orientações sobre as implicações da doença e abordagem do parceiro.
ABSTRACT
Pelvic inflammatory disease (PID) is an inflammatory process of infectious nature that can affect structures and organs of the upper genital tract. Considering this disease's epidemiological relevance and severe complications, this article provides an update and proposes a systematic approach to PID. The main etiological agents are Neisseria gonorrhoeae, Chlamydia trachomatis and other etiological agents of urethritis, cervicitis, vulvovaginitis and vaginoses. These are generally of polymicrobial origin, which determines the treatment basis for pelvic inflammatory diseases.Women must be checked for PID when experiencing abdominal discomfort, backache, dyspareunia, or presenting with stains during gynecological examination and prior to transcervical procedures. The clinical and laparoscopic classification of PID can be divided into a) stage I (endometritis/salpingitis without peritonitis), stage II (acute salpingitis with peritonitis), stage III (acute salpingitis with tubal occlusion or tube-ovarian abscess), and stage IV (tube-ovarian abscess rupture). Defining the stage guides procedures and treatment, given that in mild forms (stage I) the treatment and follow-up can be performed in the ambulatory environment while moderate to severe cases require hospitalization so that intravenous treatment and treatment outcome monitoring can be started. Supportive treatment, removal of intrauterine device (IUD), sexual abstinence and rest are also indicated, as well as counseling on the implications of the disease and partner approach.
Assuntos
Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados internacionais Contexto em Saúde: Agenda de Saúde Sustentável para as Américas Tema em saúde: Objetivo 9: Redução de doenças não transmissíveis Base de dados: LILACS Assunto principal: Doença Inflamatória Pélvica Limite: Feminino / Humanos Idioma: Inglês / Português Revista: Rev. méd. Minas Gerais Assunto da revista: Medicina Ano de publicação: 2013 Tipo de documento: Artigo País de afiliação: Brasil Instituição/País de afiliação: Universidade Federal de Minas Gerais/BR

Similares

MEDLINE

...
LILACS

LIS

Texto completo: Disponível Coleções: Bases de dados internacionais Contexto em Saúde: Agenda de Saúde Sustentável para as Américas Tema em saúde: Objetivo 9: Redução de doenças não transmissíveis Base de dados: LILACS Assunto principal: Doença Inflamatória Pélvica Limite: Feminino / Humanos Idioma: Inglês / Português Revista: Rev. méd. Minas Gerais Assunto da revista: Medicina Ano de publicação: 2013 Tipo de documento: Artigo País de afiliação: Brasil Instituição/País de afiliação: Universidade Federal de Minas Gerais/BR
...